empregos do agronegócio. profissionais do campo. cnh industrial - CNH Industrial - capacitação

Capacitação rural: porteiras abertas para o conhecimento

Transformar a fazenda numa sala de aula motiva os funcionários e prepara a equipe para ser mais eficiente no campo

Você já pensou em promover workshops na sua fazenda? Se o investimento em capacitação dos funcionários ainda não é levado a sério, está na hora de rever conceitos e transformar a fazenda numa grande sala de aula. A história da produtora rural Carmen Perez é um exemplo de sucesso que motiva a investir em recursos humanos.

 

Na sua Fazenda Orvalho das Flores, em Barra do Garça (MT), Carmen organiza mensalmente cursos e palestras com diferentes temas que sejam úteis para o trabalho. “Informação nunca é demais”, diz a produtora. De acordo com Carmen, o objetivo é manter todos os seus trabalhadores rurais bem informados, motivados e interessados no negócio. As aulas acontecem em um escritório que é adaptado para funcionar como sala de aula e tem capacidade para 20 pessoas. Lá são apresentados vídeos e informações técnicas sobre o tema da vez.

 

Equipe eficiente

A preocupação com o bem-estar e a capacitação dos funcionários da fazenda é o grande diferencial da gestão dessa produtora. “Você passa a importância do negócio e os funcionários se envolvem. Eu vejo os resultados no desempenho e no comprometimento deles.”

 

Carmen comanda uma equipe de 15 funcionários, que moram com as respectivas famílias no entorno da fazenda. O fruto desse cuidado é ter uma equipe afinada para cuidar de 4.000 hectares, com um rebanho de 1.500 matrizes de nelore para cruzamento industrial com a raça aberdin. Além da pecuária, há cinco anos Carmen e seus funcionários cuidam de outro negócio: o manejo de 120 mil seringueiras, que vão começar a sangrar em 2018.

 

Para a pecuarista, que herdou a fazenda do avô há 16 anos, o segredo do sucesso no campo está nas pessoas. “A primeira coisa que eu fiz [quando assumi o negócio] foi a integração dos funcionários e ficar próxima deles para entender o operacional da fazenda”, explica a produtora.

 

Educação é festa na fazenda

Carmem conta que sempre prepara materiais didáticos e leva especialistas para conversar com os funcionários. “Eu acho que a capacitação não é só trazer gente. É também nós, os líderes, estarmos próximos”, explica a produtora. Segundo Carmen, o investimento com os dias de capacitação são baixos, geralmente, apenas um projetor é utilizado durante a aula. Apesar de parecer simples, para os alunos, o dia da aula é um grande evento na fazenda.

 

A produtora conta que já realizou cursos na fazenda sobre máquinas agrícolas, manejo racional com cavalos e massagem em bezerros. “Investir em capacitação é uma tendência”, diz Carmen. Além disso, os filhos e as esposas dos funcionários também participam de treinamentos, de três a quatro vezes por ano. “Tudo que move uma fazenda são as pessoas, especialmente em áreas rurais”, conta Carmen. “Se você não envolve os funcionários de maneira integrada e consciente, o resto não funciona. Tem que ter aproximação porque a fazenda é uma empresa e uma comunidade.”

 

Capacitação de graça

O investimento em recursos humanos é considerado baixo e pode ter retorno expressivo. Mas, o produtor que não deseja desembolsar quantias para organizar um curso, custear o trabalho de professores ou palestrantes e confeccionar materiais por conta própria pode buscar uma alternativa mais simples. É possível capacitar a mão de obra da fazenda em parceria com associações ou empresas.

 

Exemplo disso é o programa Soja Plus. A iniciativa da Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais (Abiove) promove visitas técnicas e treinamentos gratuitos para melhorar a gestão das fazendas e para atender os requisitos das legislações trabalhista e ambiental.

 

Há também inúmeras iniciativas de empresas que estão dispostas a promover encontros de capacitação. Isso, sem contar com os Dias de Campo e cursos oferecidos por instituições como a Embrapa e o Senar. Opções não faltam.

 

Entre as iniciativas privadas está o programa Aplique Bem, resultado da parceria entre a empresa Arysta LifeScience e o Instituto Agronômico (IAC), da Secretaria de Agricultura e Abastecimento de São Paulo. O programa, que completa 10 anos em 2017, já treinou 60 mil produtores rurais de todas as regiões do Brasil sobre a forma correta de aplicar defensivos agrícolas. “O produtor sabe que precisa de ajuda, mas não sabe onde procurar e o Aplique Bem faz esse trabalho de levar informação”, diz Líria Hosoe, gerente de registro e stewardship da Arysta.

 

As aulas acontecem na propriedade rural com um grupo composto de, em média, 20 pessoas. Os interessados devem procurar a Arysta e solicitar a participação no programa. Segundo Líria, o fato de não tirar o produtor e os funcionários do ambiente deles ajuda muito. Além disso, a capacitação acaba sendo mais efetiva por ensinar sobre o manejo correto na fazenda, com o maquinário do próprio agricultor.

 

Todo mundo precisa estudar

A meta inicial era atender produtores de pequeno e médio porte e com menos acesso à tecnologia agrícola. Mas, a experiência mostrou que a necessidade era generalizada. “Independente da agricultura, na mais avançada ou na mais rudimentar, a gente sempre encontra alguma coisa para melhorar”, diz Líria.

 

De acordo com Líria, geralmente, no começo existe uma resistência por parte dos agricultores porque muitos acham que já sabem tudo sobre o tema ou até mesmo que participar da aula é perda de tempo. Mas, segundo ela, depois eles admitem que poderiam ter aberto as porteiras da fazenda para a capacitação bem antes. “O agricultor mais mecanizado também demanda treinamento.”

 

A Bayer também foca na capacitação de mão de obra. A multinacional alemã está desenvolvendo uma rede de difusão de conhecimento agronômico. Batizada de União dos Agrônomos Independentes (UAI), o projeto não exige que o participante seja diplomado em Agronomia. A iniciativa, que oferece assistência técnica gratuita e capacitação em Goiás e Tocantins, passará a atuar também nos estados da Bahia, Piauí e Maranhão.

 

* Essa foi a reportagem de capa publicada na terceira edição da revista Farming Brasil.

Conheça a revista Farming Brasil!

Farming Brasil. Ano 1, edição 3.
Farming Brasil. Ano 1, edição 3.

A terceira edição da revista Farming Brasil tem reportagem de capa sobre a plantabilidade da soja, com um dossiê completo para avaliar o solo, regular as plantadeiras, capacitar o operador da máquina e plantar com qualidade.

A revista conta também com um robusto especial sobre pecuária. A terceira edição apresenta tecnologias para as máquinas agrícolas, como os pneus radiais e as esteiras de borracha para colheitadeiras de grãos, sistemas de irrigação, tecnologia de aplicação de fertilizantes a taxa variável, energia solar e muito mais! Para adquirir a revista (R$ 14,90 + frete de R$ 6,50), clique aqui para enviar o seu pedido.

 

Leia mais