Ferrugem da soja. Ferrugem asiática. Doença da soja. Vazio sanitário

Vazio sanitário: medida é eficaz no combate à ferrugem asiática

Em regiões onde foram registrados níveis epidêmicos da doença, os danos chegam até 90% da produção da soja

O vazio sanitário, em que se proíbe o plantio de soja em um período da entressafra que varia de 60 a 90 dias, adotado em 12 estados e no Distrito Federal, é uma medida essencial no combate à ferrugem asiática, um dos principais problemas da sojicultura e responsável por pelo menos três aplicações de fungicidas. Em regiões onde foram registrados níveis epidêmicos da doença, os danos chegam até 90% da produção da soja.

 

De acordo com informações da Embrapa, a medida tem o objetivo de prevenir, controlar e auxiliar na erradicação da doença, que é provocada pelo fungo Phakopsora pachyrhizi. O fungo só sobrevive e se multiplica em plantas vivas e essa estratégia tem como objetivo reduzir o inóculo do fungo durante a entressafra em razão da ausência de hospedeiro. O resultado esperado é o atraso nas primeiras ocorrências de ferrugem na safra, diminuindo a possibilidade de ocorrência da doença no período vegetativo e, consequentemente, podendo reduzir o número de aplicações de fungicidas necessárias para o controle.

 

O calendário do vazio sanitário varia entre os estados. Os primeiros a adotarem o vazio sanitário são Rondônia, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, São Paulo e Paraná, de 15 de junho a 15 de setembro. Em Goiás e no Distrito Federal, o vazio sanitário ocorre de 01 de julho a 30 de setembro. Durante o vazio sanitário, os produtores, além de não cultivarem o grão, devem eliminar a soja voluntária ou tiguera (plantas originárias dos grãos caídos no solo durante a colheita).

 

O pesquisador da Embrapa Cerrados (Planaltina-DF) Ângelo Sussel explica que o não cumprimento do vazio sanitário acarretará na antecipação do surgimento da ferrugem nas áreas cultivadas, elevação no número de aplicação de fungicidas para o manejo da doença, elevação dos custos de produção e redução da produtividade.

 

“Estas consequências não ficam restritas à propriedade que não adotou o vazio sanitário, pois o fungo se dissemina a longas distâncias pelo vento, não respeitando os limites da propriedade, município ou estado, afetando toda a região produtora de soja que se avizinha”, acrescenta Sussel.

 

Doença

considerada uma das doenças mais severas que incidem na soja, a ferrugem asiática pode ocorrer em qualquer estádio fenológico da cultura. O principal dano ocasionado pela ferrugem é a desfolha precoce, que impede a completa formação dos grãos, com consequente redução da produtividade. Os primeiros sintomas da ferrugem se iniciam pelo terço inferior da planta e aparecem como minúsculas pontuações (no máximo 01 mm de diâmetro) mais escuras que o tecido sadio da folha, com coloração esverdeada a cinza-esverdeada.

 

A confirmação da ferrugem é feita pela constatação, no verso da folha de saliências semelhantes a pequenas feridas ou bolhas, que correspondem às estruturas de reprodução do fungo (urédias). Essa observação é facilitada com a utilização de uma lupa de 20 a 30 aumentos, ou sob um microscópio estereoscópico. Com o passar do tempo, as folhas infectadas pelo fungo tornam-se amarelas e caem.

 

Manejo

o monitoramento da lavoura desde o início do desenvolvimento da soja é muito importante para que o produtor possa iniciar o controle químico com fungicidas logo após o aparecimento dos primeiros sintomas ou preventivamente. O controle preventivo deve levar em conta os fatores necessários à ocorrência da ferrugem (presença do fungo na região, idade da planta e condição climática favorável), a logística de aplicação (disponibilidade de equipamentos e tamanho da propriedade), a presença de outras doenças e o custo do controle.

 

Dentro do manejo de doenças, conforme ressalta o pesquisador Sussel, é importante que se faça a rotação de fungicidas, alterando o princípio ativo do fungicida aplicado a cada pulverização. Desta forma consegue-se preservar a eficiência dos fungicidas por um número maior de safras, se reduz o surgimento de resistência do fungo às moléculas e fica garantido um manejo químico mais efetivo. Esta prática deve ser adotada por todos produtores de soja para a manutenção do manejo sustentável da ferrugem da soja, com menor impacto financeiro e ambiental. A decisão do momento da aplicação do fungicida é técnica e passa pela avaliação das condições climáticas, da presença do fungo na região, além de outros fatores. A escolha do produto tem relação com a forma de aplicação e o tamanho da lavoura.

 

Leia mais:

El Niño: previsão de retorno do fenômeno é precipitada

Soja: preços voltam a subir e saca é comercializada por até R$ 66,24

China reabilita três plantas exportadoras de carne de frango

Produção brasileira de tilápia cresce 80% em dez anos

Boi gordo: oferta está baixa e preços seguem firmes, diz Scot Consultoria

O sonho da pulverização de precisão se tornou realidade

Cadastre-se para receber notícias gratuitamente da Farming Brasil por e-mail: sfagro.com.br/cadastro

Qual é a sua dúvida agronômica? Para pedir uma reportagem ao site SF Agro, clique aqui e envie uma mensagem para a equipe de jornalistas.

 

 

Deixe seu comentário

Leia mais