Lavoura de soja.
DATA: 02/03/2016

Três regiões de Mato Grosso estimam menor produtividade da soja

A produtividade geral do estado também está caindo, a diferença em relação à safra passada é de queda de 0,6%

A diversidade de produtividade nas regiões de Mato Grosso é a marca registrada da safra 2015/2016 de soja no Estado. O Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária (Imea) detalhou os dados da 5ª Estimativa de Safra, divulgada na semana passada, e fez um comparativo com a safra 2014/2015.  “A grande análise é que apesar do aumento da produção nem todas as regiões tiveram um incremento de produtividade”, diz o Superintendente do Imea, Daniel Latorraca.

 

O estudo mostra que três regiões estão registrando queda na produtividade até o momento em relação ao ano passado. “A região médio-norte, onde está 33% da área de soja de Mato Grosso, é a que está apresentando, até agora, a maior queda, com a produtividade 3,6% menor em relação à safra passada. O nordeste e o norte do estado também estão com a produtividade menor, com 2,1% e 1,1% de queda respectivamente”, diz Latorraca.

 

Em contrapartida, as regiões sudeste e oeste podem ter a maior produtividade da história, com o incremento de 2,6% na primeira e de 2,1% na segunda. A região centro-sul também está registrando alta com 1,2% e a noroeste com 0,7%. “A diversidade é muito grande, a diferença entre as regiões com maior e menor produtividade chega a cinco sacas. Na região oeste devem ser colhidas 54,2 saca por hectare e na nordeste 49 saca por hectare”, diz o superintendente.

 

Outro ponto que é importante destacar é que a produtividade geral do estado está caindo. A diferença em relação à safra passada é de queda de 0,6% e isso é consequência da menor produtividade nas regiões onde está a maior área em Mato Grosso. “Dessa forma, podemos dizer que o aumento de 2,1% na área total do estado é que está segurando o incremento na produção, que deve ser de 28,5 milhões de toneladas, ou seja, 1,5% maior em relação à safra anterior”, conclui Latorraca.

 


Comente essa notícia.

Faça seu cadastro ou login gratuito para enviar comentários.