Tegram
DATA: 07/12/2015

Tegram supera três milhões de toneladas exportadas em 2015

O terminal demandou investimentos superiores a R$ 600 milhões em obras e equipamentos de alta tecnologia

O Terminal de Grãos do Maranhão (Tegram) superou a marca de três milhões de toneladas de grãos exportadas. Partindo do Porto do Itaqui (MA), 52 navios deixaram o País com 2,14 milhões de toneladas de soja, 754,1 mil toneladas de milho e 138,7 mil toneladas de farelo de soja.

 

“Ao atingirmos este resultado em 9 de novembro, superamos as nossas projeções preliminares, quando começamos a operação, em março deste ano, que eram de exportar cerca de 2 milhões de toneladas de grãos em 2015. Este desempenho também é superior à revisão desta projeção, que fizemos em setembro, que era de chegar a 3 milhões de toneladas apenas ao final deste ano”, diz o porta-voz do Tegram, Luiz Claudio Santos.

 

O Tegram está entre as maiores obras de infraestrutura para a exportação da safra brasileira de grãos. Sua operação já beneficia diretamente os produtores das regiões do Matopiba (Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia) e do Nordeste de Mato Grosso ao se posicionar como alternativa aos portos das regiões Sudeste e Sul do País, desafogando a logística do agronegócio.

 

Além disso, por estar mais próximo dos principais mercados da Ásia e Europa, o terminal contribui para agilizar os processos e reduzir custos. “O Tegram chegou para estimular o agronegócio brasileiro em razão das vantagens competitivas para escoamento da safra, principalmente nos Estados do Nordeste, Norte e Centro-Oeste”, conta Santos.

 

O terminal demandou investimentos superiores a R$ 600 milhões em obras e equipamentos de alta tecnologia para gerar uma capacidade de exportação de cinco milhões de toneladas de grãos ao ano, aplicados pelas empresas que compõem o consórcio.

 

A primeira fase, já finalizada, envolveu a construção de quatro armazéns com capacidade estática total de 500 mil toneladas de grãos, além de uma estrutura completa para operar um berço de atracação com 15 metros de profundidade e um Shiploader capaz de carregar os navios com 2,5 mil toneladas de grãos por hora.

 

Em uma segunda fase, serão investidos mais cerca de R$ 100 milhões na estrutura necessária para operar mais um berço de atracação, com mais um Shiploader, e na ativação de mais uma linha que permitirá dobrar a capacidade da moega ferroviária para descarregamento de quatro mil toneladas por hora.

 


Comente essa notícia.

Faça seu cadastro ou login gratuito para enviar comentários.

Leia mais