DATA: 01/10/2015

Tegram projeta embarcar 3 milhões de toneladas de grãos em 2015

Os principais destinos da soja e do milho que passaram pelo Terminal de Grãos do Maranhão neste ano foram Ásia, Europa e Oriente Médio

Com a operação iniciada em março deste ano no Porto do Itaqui, em São Luís (MA), o Terminal de Grãos do Maranhão (Tegram) tem beneficiado diretamente os produtores rurais da região do Matopiba (Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia) e do Nordeste de Mato Grosso. Até setembro, foi embarcado no Tegram um total de 2,3 milhões de toneladas de grãos, sendo 1,97 milhão de toneladas de soja e 330 mil toneladas de milho, em mais de 20 navios.

Até o final do ano, o Tegram projeta embarcar entre 2,8 milhões e 3 milhões de toneladas de grãos. Por cultura, a expectativa é de embarcar 2,1 milhões de toneladas de soja, 560 mil toneladas de milho e 180 mil toneladas de farelo (o início dos embarques de farelo está previsto para setembro). O terminal é uma alternativa aos portos das regiões Sudeste e Sul, desafogando a logística do agronegócio. Além disso, por estar mais próximo dos principais mercados da Ásia e Europa, contribui para agilizar os processos e reduzir custos.

Da soja embarcada no terminal, 35% é oriunda de produtores do Maranhão, 25% do Nordeste de Mato Grosso, 20 do Piauí e 20% do Tocantins. Do total de milho já embarcado, 35% vieram do Tocantins, 30% do maranhão, 30% do Nordeste de Mato Grosso e 5% do Piauí. Da Bahia, espera-se o início da recepção de grãos a partir do próximo ano. O Tegram, do Consórcio Tegram-Itaqui, formado pelas empresas NovaAgri, Glencore, CGG Trading, Amaggi e Louis Dreyfus, é uma das maiores obras atuais de infraestrutura para a exportação da safra brasileira de grãos.

Alto investimento no agronegócio brasileiro

 As empresas do Consórcio Tegram-Itaqui investiram mais de R$ 600 milhões em obras e equipamentos de alta tecnologia. Em uma primeira fase, foram construídos quatro armazéns com capacidade estática total de 500 mil toneladas de grãos e uma estrutura completa para operar em um berço de atracação para exportação de até 5 milhões de toneladas ao ano.

As moegas rodoviárias do Tegram permitem receber 800 caminhões a cada 24 horas para descarregamento de 32 mil toneladas por meio de oito tombadores (dois em cada armazém). Nestes primeiros meses, o terminal operou com recebimento de cerca de 500 a 530 caminhões por dia, um volume que deve aumentar em curto prazo.

A moega ferroviária, finalizada em agosto, permite receber trens com 80 vagões, que podem descarregar 2 mil toneladas/hora. Até o momento, a operação com trens envolveu o descarregamento de 25 mil toneladas de grãos, com projeção de este ano totalizar 350 mil toneladas de soja, milho e farelo.

Em uma segunda fase, serão investidos mais cerca de R$ 100 milhões na estrutura necessária para operar mais um berço de atracação e na ativação de mais uma linha que permitirá dobrar a capacidade da moega ferroviária para descarregamento de 4 mil toneladas por hora. Após a segunda fase, a capacidade de exportação do terminal será ampliada para 10 milhões de toneladas de grãos ao ano.


Comente essa notícia.

Faça seu cadastro ou login gratuito para enviar comentários.

Leia mais