DATA: 10/02/2016

Tecnologia Guandu BRS Mandarim recupera pastagens degradadas

A tecnologia de baixo custo de implantação serve de alimento para os animais e apresenta alto potencial para adubação verde

A Embrapa Pecuária Sudeste (SP) apresenta, na próxima edição da Dinâmica Agropecuária (Dinapec), a forrageira Guandu BRS Mandarim para recuperação de pastagem. A Dinapec, realizada pela Embrapa, ocorre de 9 a 11 de março, em Campo Grande (MS).

 

A utilização do feijão guandu consorciado com brachiaria é uma alternativa eficiente para recuperar áreas degradadas e garantir a produtividade e a viabilidade econômica da pecuária. Essa é uma boa notícia aos pecuaristas, já que um dos grandes problemas enfrentados por eles é a degradação de áreas de pasto.

 

Aproximadamente, 80% das pastagens encontram-se com algum grau de degradação, prejudicando o setor e refletindo diretamente no bolso do produtor rural. Pastagens degradadas perdem o vigor, a capacidade de recuperação natural e a qualidade, reduzindo a produtividade e a capacidade de lotação animal por hectare.

 

Em experimentos realizados na Fazenda Canchim, na sede da Embrapa Pecuária Sudeste, verificou-se aumento no desempenho individual dos animais e na lotação em comparação com áreas degradadas. Na integração do guandu BRS Mandarim com a braquiária, o ganho de peso médio por animal foi 51% maior.

 

O guandu é uma tecnologia de baixo custo de implantação, fácil manejo, serve de alimento para os animais e apresenta alto potencial para adubação verde, melhorando a fertilidade do solo. A persistência dessa leguminosa na área é por volta de três anos. Essa característica é muito vantajosa para os produtores, porque não há necessidade de replantar o guandu BRS Mandarim todos os anos.

 


Comente essa notícia.

Faça seu cadastro ou login gratuito para enviar comentários.

Leia mais