Leite
DATA: 18/01/2016

Setor lácteo quer conquistar novos mercados e expandir exportação de leite

A expectativa é que o Brasil passe a exportar 1 bilhão de litros de leite por ano

O setor lácteo brasileiro aposta na abertura do mercado externo para recuperar o déficit da balança comercial registrado em 2015. “Acreditamos que, em um horizonte de quatro anos, o Brasil passe a exportar o equivalente a 1 bilhão de litros de leite, ou 2,3 vezes o que foi embarcado em 2015”, diz Marcelo Martins, diretor executivo da Associação Brasileira de Laticínios (Viva Lácteos).

 

Segundo o Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC), o Brasil exportou, em 2015, US$ 319 milhões e importou US$ 419 milhões. No entanto, ao avaliar por semestre, o primeiro o saldo foi de US$ 110 milhões negativos. Já na segunda parte do ano, o resultado foi positivo em US$ 10 milhões. Durante o ano passado, o Brasil embarcou 28 tipos de produtos lácteos para 45 diferentes destinos. A maior quantidade continua sendo comprada pela Venezuela, US$ 238 milhões em 2015, e o principal produto é o leite em pó integral, US$ 234 milhões.

 

Fortalecimento da cadeia

Para Martins, 2015 foi o ano de abertura do mercado externo e esta será a tendência para 2016, ou seja, fortalecer a cadeia produtiva, por meio de melhoria da competitividade, para a conquista de novos mercados. “Em 2015 vimos um cenário internacional com queda de preços e esta tendência de maior oferta que demanda deve perdurar neste primeiro semestre de 2016”, avalia. Em contrapartida, o câmbio ficou mais favorável para as exportações, o que permitiu o superávit da balança comercial nos meses de julho, agosto, setembro e novembro.

 

Neste sentido, o foco da Viva Lácteos para 2016 será o de fortalecer o trabalho para a promoção comercial para o mercado externo. Alguns resultados já foram observados em 2015. O mercado Russo está se consolidando, e, já neste primeiro ano, o setor exportou 182 toneladas de manteiga e 248 de queijo. “Para 2016, temos espaço para pelo menos dobrar essa quantidade”, diz Martins.

 

Em 2016, há a expectativa de iniciar os embarques para a China. Este é o novo desafio do setor e o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) já avançou nas negociações, conseguindo a atualização do certificado sanitário internacional para aquele país. A China representa 9% das importações mundiais de manteiga; 3% de queijo e 21% de leite em pó. O México também poderá ser uma importante oportunidade para 2016, dependendo do andamento das negociações tarifárias constantes no Acordo de Complementação Econômica (ACE 53).

 

A Viva Lácteos vai fortalecer o processo de abertura do mercado externo executando o Projeto Setorial de Promoção Internacional para o Setor Lácteo Brasileiro realizado em parceria com a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (APEX-Brasil), prevista para o biênio 2016/2017.

 

Tecnologia, qualidade e regulação

Para garantir as metas de 2016, o investimento em tecnologia para a melhoria da qualidade do leite e, consequentemente, da competitividade, associado à revisão e adequação dos marcos regulatórios do País são fundamentais. Por isso, a Associação manterá a efetiva participação junto ao Programa Mais Leite Saudável do MAPA, desenvolvido para fortalecer 7 pilares (Assistência Técnica e Gerencial, Melhoramento Genético, Política Agrícola, Sanidade Animal, Qualidade do Leite, Marco Regulatório e Ampliação de Mercados). “Como sempre, os compradores buscam regularidade e produtos de alta qualidade. Isso é justamente o que a cadeia tem buscado dar aos lácteos brasileiros, para torna-los competitivos”, afirma Marcelo Martins.
A Viva Lácteos tem demandado a reestruturação do Programa Nacional de Qualidade do Leite (PNQL) desenvolvido pelo Ministério da Agricultura. Entre outras questões, propõe-se a sistematização, numa plataforma, dos dados sobre qualidade do leite, a ser executado pela Embrapa; a integração do PNQL ao Sistema de Informações Gerenciais (SIGSIF) e o fortalecimento da Rede Brasileira de Laboratórios de Controle da Qualidade do Leite.

 

Em 2016, outra questão importante se refere à modernização dos marcos regulatórios junto aos órgãos responsáveis como a ANVISA e Ministério da Agricultura e o incentivo ao investimento em pesquisa e desenvolvimento. Ao mesmo tempo, é necessário manter o trabalho de comunicação para esclarecer à população sobre a importância da ingestão de lácteos para a saúde, especialmente entre as crianças e os idosos.

 


Comente essa notícia.

Faça seu cadastro ou login gratuito para enviar comentários.