DATA: 10/12/2015

Brasil conquista novos mercados e deve exportar mais carne bovina em 2016

O ano de 2015 foi marcado por conquistas estratégicas para o setor com a volta dos embarques para a China e a Final Rule para os EUA

Uma retrospectiva do ano de 2015 para o setor de carne bovina brasileira pode ser resumida por meio de conquistas e avanços na reabertura do mercado mundial para o produto nacional. Dentre as boas notícias, duas das grandes prioridades estratégicas para o setor foram alcançadas: a Final Rule para os Estados Unidos e o início dos embarques para a China. Também reabriram seus mercados, com a suspensão dos embargos – ainda em função do caso atípico de BSE em 2012 -, para a carne brasileira, a Arábia Saudita, Iraque, África do Sul e Japão.

 

“2015 encerrou algumas lutas que o setor travava há alguns anos. Praticamente, concluímos os últimos países que ainda estavam com embargo à nossa carne. Sem dúvida, foi um ano de ótimas notícias para a indústria brasileira, que está cada vez mais preparada para atender a demanda mundial de carne bovina”, afirma Antônio Jorge Camardelli, presidente da Associação Brasileira das Indústrias Exportadoras de Carne (Abiec).

 

Os embarques para a China começaram no final de junho e, em pouco mais de cinco meses, já representou 81,3 mil toneladas, com faturamento de US$ 401,2 milhões. Com o anúncio da habilitação de mais três plantas naquele País, em novembro último, a expectativa da Abiec é que, em 2016, o faturamento de exportação de carne bovina para a China represente cerca de US$1,3 bilhão.

 

Final Rule, publicada no final de junho, liberando a exportação de carne in natura de 14 estados brasileiros para os Estados Unidos, foi outra conquista muito importante para o setor. “São duas etapas. O anúncio da Final Rule, que aconteceu em junho. Agora, o processo segue com a discussão entre os respectivos órgãos americano e brasileiro para o estabelecimento de uma equivalência de processos de inspeção para que as exportações, de fato, tenham início”, diz Fernando Sampaio, diretor-executivo da Abiec. “A expectativa é que os primeiros embarques aconteçam ainda no primeiro semestre de 2016.”

 

Outro mercado reaberto que traz grande potencial de aumento nas exportações de carne bovina no curto prazo é a Arábia Saudita. Além da possibilidade de exportar 50 mil toneladas aos sauditas, outras nações como Qatar, Bahrein e Kuwait podem também retomar as importações da carne brasileira, uma vez que seguem os mesmos requisitos da Arábia Saudita, alcançando um faturamento conjunto de US$ 230 milhões.

 

Em dezembro, o governo brasileiro anunciou a suspensão do embargo japonês para carne brasileira processada. Com isso, o País retoma a exportações de produtos industrializados para o Japão, que pode representar um valor agregado, chegando a um faturamento anual de US$ 19 milhões. “Resolvido o embargo de produtos industrializados, as duas partes concordam em começar a negociar o acesso recíproco a carne in natura, produto do qual o Japão é um dos maiores importadores do mundo”, diz Sampaio.

 

Perspectivas para 2016

Para a ABIEC, as previsões são mais otimistas para 2016 por conta da abertura de todos os mercados citados em 2015. “Esse foi um ano de conquistas e, em 2016, vamos colher os resultados efetivos. A perspectiva é que o faturamento chegue a US$ 7,5 bilhões, batendo o recorde de 2014”, afirma Camardelli.

 

A ABIEC mantém como estratégia para 2016 a busca por novos mercados, nos quais o Brasil ainda não tem acesso, como México e países da Ásia, a exemplo de Taiwan, Indonésia e Tailândia. Além disso, pretende avançar nas negociações para exportação de carne in natura para o Japão e miúdos e carne com osso para a China – atualmente, o gigante asiático só importa carne sem osso do Brasil.

 

Resultados de 2015

Com faturamento de US$ 525 milhões em exportações em novembro, o Brasil atinge a marca de US$ 5,4 bilhões no acumulado do ano. Em volume, foram exportadas 124,5 mil toneladas de carne bovina em novembro, registrando um total de 1,3 milhão de toneladas em 2015. Esses números representam uma queda de 10% em volume e 17% em faturamento em relação a 2014.

 

Com isso, as exportações brasileiras de carne bovina em 2015 devem fechar o ano com um resultado aquém do mesmo período do ano passado. Mesmo com uma recuperação no último trimestre, o setor enfrentou problemas conjunturais que afetaram negativamente alguns grandes mercados do Brasil, como Rússia, Hong Kong e Venezuela.

 


Comente essa notícia.

Faça seu cadastro ou login gratuito para enviar comentários.

Leia mais