Senar e Banco Interamericano negociam novas tecnologias

O Fontagro contribui para a redução da pobreza, o aumento da competitividade das cadeias agroalimentares e o manejo sustentável

O Secretário Executivo do Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar), Daniel Carrara, reuniu-se nesta quinta-feira (03/03) na capital norte americana com Hugo Li Pun, Secretário Executivo do Fundo de Tecnologia Agropecuária (Fontagro) – um programa do Banco Interamericano de Desenvolvimento que financia a pesquisa e a inovação científica e tecnológica para o setor agropecuário nos países da América Latina e Caribe.

 

“Apresentamos o Senar e ficamos sabendo que o Brasil não faz parte deste fundo, não é signatário do Fontagro, e  uma das demandas que fizeram pra nós foi para interagir com o governo brasileiro. O Fontagro não tem interesse nos recursos do nosso governo, mas na presença dele para interagir com nossa empresa de pesquisa, a Embrapa,” afirma Carrara.

 

O Fontagro, formado por doações de vários países, contribui para a redução da pobreza, o aumento da competitividade das cadeias agroalimentares e o manejo sustentável dos recursos naturais da América Latina e do Caribe. Também apoia projetos por intermédio de editais nas áreas de alternativas de comercialização, intensificação de produção para a sustentabilidade, questões de mudanças climáticas e apoio à organização e profissionalização de instituições de pesquisa. Para que os projetos sejam executados, é necessária a aliança de pelo menos um ou dois países do continente.

 

Entre os assuntos debatidos no encontro, está um projeto abrangente de recuperação de pastagens, problema em regiões do Brasil e de países fronteiriços. “A recuperação de pastagens é umas das tecnologias de baixa emissão de gases de efeito estufa que o SENAR dissemina em projetos como o ABC Cerrado, desenvolvido em parceria com o Ministério da Agricultura e a Embrapa. Recuperar pastagens evita a abertura de novas áreas de produção e impulsiona a produtividade da pecuária”, conta Daniel Carrara.

 

Outros projetos que estão sendo cotados são o de produção de peixes em tanques-rede e atividades que tragam renda e melhores condições de vida para a população da Amazônia.

 

Acompanhado pelo vice-presidente da Federação da Agricultura e Pecuária da Bahia (FAEB), Humberto Oliveira, Carrara também visitou a USAID, a maior agência de ajuda global do governo norte-americano. A reunião, liderada por Donna Vincent Roa, que coordena uma incubadora de startups de tecnologias para agricultura, um dos maiores programas de inovação da agência para aumentar a segurança alimentar em diversos continentes.

 

Segundo o Secretário Executivo do Senar, o programa tem um fundo de captação de recursos, com editais anuais da ordem de 32 milhões de dólares para investimentos em melhorias e consultorias técnicas em inovação. Também tem projetos na área de metodologia de equipamentos, melhoria genética e principalmente em países de baixa renda. “O Senar se dispôs a identificar possíveis inovações para participar de editais e difundir, no Brasil, tecnologias já aprovadas por eles nas áreas de hortaliças, irrigação, placas solares e dessalinizadores de água.”

 

Deixe seu comentário