propriedade rural, farming brasil
DATA: 27/10/2015

Santa Catarina possui 48,6% das propriedades no Cadastro Ambiental Rural

Apenas dois municípios catarinenses alcançaram a totalidade no número de cadastros: Flor do Sertão e Barra Bonita

Faltando pouco mais de seis meses para que o prazo do Cadastro Ambiental Rural (CAR) encerre, Santa Catarina conta com aproximadamente 180 mil imóveis registrados. Este número corresponde a 48,6% das propriedades rurais que devem ser cadastradas até dia 5 de maio de 2016. “Em janeiro, tínhamos apenas 12% de imóveis no CAR. Temos trabalhado incessantemente para que nosso Estado cumpra a meta, mas precisamos do apoio dos municípios e dos proprietários de terras”, reforça o secretário do Desenvolvimento Econômico Sustentável (SDS), Carlos Chiodini.

 

Apenas dois municípios catarinenses alcançaram a totalidade no número de cadastros. Flor do Sertão, com 461 propriedades rurais, e Barra Bonita, com 550. A Secretaria de Desenvolvimento Regional (SDR) de São Miguel do Oeste é a que conquistou melhores resultados, com 76% dos 9.913 imóveis registrados. Em segundo lugar aparece a SDR de Seara com 72,8% das 9.440 propriedades, seguida da SDR de Itapiranga onde foram cadastrados 71,8% dos 6.704 imóveis.

 

“O Oeste catarinense tem se destacado no CAR desde o início do processo. Acreditamos que, até fim do ano, teremos mais cidades concluindo o cadastro, como Arabutã, que já está com 96% das propriedades inseridas no sistema, além de Cunhataí, com 95%”, salienta Chiodini. Segundo os dados da SDS, a média das SDRs do Oeste e Extremo-Oeste é superior a 63%.

 

O CAR é o registro público eletrônico de âmbito nacional, obrigatório para os imóveis rurais, com a finalidade de integrar as informações ambientais das propriedades e posses rurais. O objetivo de traçar um mapa digital e um diagnóstico ambiental com as informações georreferenciadas do proprietário ou posseiro rural. O cadastramento é obrigatório e gratuito para todos os proprietários rurais. Aqueles que não aderirem ao sistema serão penalizados e ilegalizados, sem poder ter acesso a benefícios como o crédito rural.

 

Em algumas regiões, o número de imóveis cadastrados ainda é considerado baixo. É o caso da SDR de Brusque, onde apenas 18% das 6.593 propriedades rurais estão no CAR. Na SDR de Laguna foram registrados 26%, na SDR de Lages somente 27,2% e, na de Itajaí, 27,6%. Especificamente entre os municípios, o pior resultado é o de Balneário Camboriú, não que não realizou nenhum cadastro, seguido de Florianópolis, onde apenas cinco imóveis rurais foram inseridos no sistema.

 

“Sabemos que temos muito trabalho pela frente e estamos visitando todas as regiões, repassando as informações para os municípios e para as SDRs”, diz o secretário da SDS. A inscrição é condição necessária para que os imóveis façam parte do Programa de Regularização Ambiental (PRA). Isso dará início ao processo de recuperação ambiental de áreas degradadas dentro dos terrenos, conforme prevê a Lei 12.651, de 2012, a chamada Lei Florestal.

 

Além da SDS, participam do grupo de trabalho do CAR em Santa Catarina as Secretarias de Estado da Agricultura e da Pesca (SAR), da Casa Civil (SCC) e SDRs, Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural do Estado de Santa Catarina (Epagri), Fundação do Meio Ambiente (Fatma), Federação dos Trabalhadores na Agricultura de Santa Catarina (Fetaesc), Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Santa Catarina (Faesc), Organização das Cooperativas do Estado de Santa Catarina (Ocesc), associações de municípios, prefeituras, sindicatos rurais, entre outros órgãos.

 

 


Comente essa notícia.

Faça seu cadastro ou login gratuito para enviar comentários.