Água

Rio de Janeiro é destaque na área de gestão sustentável na agricultura

Programa Rio Rural incentiva a adoção de sistemas produtivos que utilizam técnicas mais eficientes e ambientalmente adequadas

O Rio Rural inicia 2016 com destaque entre as experiências sustentáveis no setor agrícola brasileiro. O programa da secretaria estadual de Agricultura e Pecuária foi uma das dez iniciativas selecionadas para a publicação Gestão Sustentável na Agricultura, do Ministério da Agricultura e Pecuária e Abastecimento (MAPA). O livro tem como objetivo divulgar, no Brasil e no exterior, relatos de sucesso de gestão sustentável na produção agrícola, pecuária e florestal.

 

Em sua terceira edição, produzida em três idiomas (português, espanhol e inglês), a publicação apresenta experiências de instituições públicas e privadas que podem servir como referência em gestão sustentável no setor agropecuário. O Rio Rural foi escolhido pelas ações que promove em prol do fortalecimento de uma agricultura familiar sustentável em todo território fluminense. As comunidades das microbacias hidrográficas, que vivem principalmente da atividade agropecuária, são as beneficiárias do programa.

 

Na avaliação do secretário estadual de Agricultura, Christino Áureo, este reconhecimento do Rio Rural reflete a escolha de um modelo participativo de gestão, que inclui as comunidades nas discussões e também na execução e acompanhamento das atividades. “Os produtores rurais são beneficiários, mas também protagonistas do processo de desenvolvimento”, diz Christino. “Os investimentos do programa são negociados entre os grupos de interesse das microbacias, tendo sempre em vista benefícios para a coletividade e para o meio ambiente.”

 

O programa incentiva a adoção de sistemas produtivos que utilizam técnicas mais eficientes e ambientalmente adequadas. Até 2018, serão investidos US$ 233 milhões em ações de desenvolvimento, beneficiando 48 mil agricultores familiares residentes em 366 microbacias de 72 municípios.

 

Os agricultores recebem apoio técnico e financeiro para a adoção de boas práticas e são estimulados a se tornarem protagonistas do processo de desenvolvimento, desde o planejamento das ações até o monitoramento e avaliação de resultados.

 

Sustentabilidade no campo

As práticas desenvolvidas pelo programa junto aos agricultores vêm mostrando bons resultados nas áreas de agricultura orgânica, agroecologia, proteção de nascentes, métodos alternativos de controle de pragas, utilização de biofertilizantes, plantio em nível, pastoreio rotacionado, apicultura, sistema agroflorestal, entre outras.

 

Um bom exemplo é o do produtor Fábio José Alves, da microbacia do Ouro, em Porciúncula, no Noroeste Fluminense, um dos primeiros a obter a certificação de agricultor orgânico na região. Há cerca de cinco anos, ele, que cultiva café e olerícolas, recebeu apoio técnico e financeiro do Rio Rural para adotar práticas agroecológicas. Com os incentivos, ele começou a usar em suas terras a adubação orgânica e a adubação verde, duas técnicas que contribuem para aumentar a saúde do solo.

 

O agricultor abriu também canais de contenção e caixas de captação de água, para evitar a erosão e a perda dos nutrientes e da umidade. “No começo, eu jogava o adubo e a chuva levava”, diz Alves. “A erosão ia assoreando o açude, se eu não preservasse, não teria água para o consumo, para lavar o café, para o tanque de peixes”, conta o agricultor, que também protege duas nascentes em sua propriedade de 13 hectares.

 

As práticas incentivadas que Fábio passou a utilizar foram o pontapé em um processo de melhorias que levou o agricultor a obter certificação de sua produção de hortaliças, junto com outros 97 produtores da região. A qualidade orgânica é garantida por Organismo de Controle Social (OCS), modalidade reconhecida pelo Ministério da Agricultura que se baseia na interação, participação e relação de confiança entre produtores e consumidores. Com o certificado, os agricultores podem vender seus produtos no mercado institucional (PNAE e PAA) e em feiras.

 

 

Água Limpa para o Rio Olímpico

As práticas adotadas pelo Rio Rural também contribuem para os objetivos de desenvolvimento sustentável da ONU. Um deles é “garantir a disponibilidade e gestão sustentável da água e saneamento para todos”.

 

Com a campanha ‘Água Limpa para o Rio Olímpico’, que nasceu com a meta de proteger 2016 nascentes até as Olimpíadas do Rio, o programa conseguiu engajar comunidades rurais inteiras e, antes mesmo do final de 2015, já havia conquistado seu objetivo. Segundo dados da Emater-Rio, até dezembro de 2015, 3.120 nascentes foram protegidas e, mesmo após a meta superada, a campanha Água Limpa para o Rio Olímpico’ continua a pleno vapor.

 

Deixe seu comentário

Leia mais