Restrições para financiamento de matrizes no FCO 2016 serão extintas

Durante encontro foram apresentadas as dificuldades de aquisição de matrizes com qualquer certificação de melhoramento genético

Preocupada com a regulamentação de financiamentos para aquisição de matrizes ou reprodutores de genética pelo Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste (FCO), a Federação da Agricultura e Pecuária de Mato Grosso (Famato) vem discutindo constantemente o assunto com a Câmara de Política Agrícola e Crédito Rural (CPACR) da Secretaria de Desenvolvimento Econômico de Mato Grosso (Sedec).

 

Na terça-feira (16/02) a Famato, representada pelo diretor de Relações Institucionais Rogério Romanini e pelo gestor do Núcleo Técnico Guto Zanata, participou de uma reunião na Superintendência de Desenvolvimento do Centro-Oeste (Condel/Sudeco) em Brasília, juntamente com representantes da Federação da Agricultura e Pecuária de Goiás (Faeg), Embrapa, Banco do Brasil, governo do estado de Mato Grosso e governo federal com o objetivo de colocar um fim nas restrições de aquisição de matrizes pelo FCO.

 

Durante o encontro foram apresentadas as dificuldades de aquisição de matrizes com qualquer certificação de melhoramento genético. O grupo optou em manter no caderno de FCO o texto utilizado em 2015. A proposta é que não seja vinculada no caderno do FCO nenhuma comprovação ou certificação de melhoramento genético na aquisição de animais financiados por este fundo, assim como ocorreu em 2015.

 

Na programação do FCO 2015 diz: 2.1 Item não financiáveis: […] IV. de bovinos, exceto quando se tratar; […] 2) de matrizes e reprodutores. Já no FCO 2016 diz: no item 2.1 de não financiáveis: não constitui objetivo do FCO financiar: […] IV. de bovinos, exceto quando se tratar; 1) de animais, machos e fêmeas, de novilho precoce;  2) de matrizes ou reprodutores melhorados geneticamente, mediante apresentação de certificados emitidos pelas associações de criadores das respectivas raças.

 

Deliberação

A proposta de manter o texto de 2015 foi acatada por todos os representantes presentes e encaminhada ao Ministro da Integração Nacional para oficializar a regulamentação, o que deve acontecer durante uma reunião com o Condel ou Ad Referendum. Está prevista uma reunião do Condel no dia 10 de março deste ano.

 

Rogério Romanini avalia a decisão como positiva para os produtores rurais de Mato Grosso, pois as restrições vigentes causariam impactos negativos. “Com a mudança proposta pelas Federações, os produtores poderão usufruir do FCO e retomar o planejamento de suas atividades de investimentos”. O gestor Guto Zanata explicou que as discussões iniciaram no inicio deste ano, a partir da preocupação dos pecuaristas e produtores que recorreram à Famato em busca de soluções.

 

Deixe seu comentário