Café

Funcafé destina R$ 10,6 bilhões para pesquisa

O recurso é 92% maior que o destinado no ano passado, que foi de R$ 5,5 milhões

Cerca de R$ 10,6 bilhões do Fundo de Defesa da Economia Cafeeira (Funcafé) serão destinados à Empresa Brasileira de Pesquisa e Agropecuária (Embrapa) para 92 projetos do Programa de Pesquisa e Desenvolvimento do Café (PNP&D). A medida foi publicada no Diário Oficial da União desta segunda-feira (11/04). O recurso é 92% maior que no ano passado (R$ 5,5 milhões).

 

De acordo com o diretor do Departamento de Crédito, Recursos e Riscos do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), Vitor Ozaki, o PNP&D é maior programa mundial de pesquisa de café. Gera conhecimento e tecnologia para todas as etapas da cadeia produtiva, desde o plantio até o consumidor.

 

Os projetos visam a sustentabilidade, a diminuição dos custos de produção, a redução dos efeitos das mudanças climáticas na atividade cafeeira e o incentivo a pequenos e grandes produtores, por meio de estudos de viabilidade econômica, social e ambiental. A inovação de práticas agrícolas, com o aprimoramento de máquinas para colheita e pós-colheita, também está no PNP&D, assim como a realização de pesquisas de mercado para promoção e marketing nos diferentes mercados.

 

Para reduzir as perdas da cultura por mudanças climáticas, as pesquisas buscam ainda o desenvolvimento de cultivares resistentes a pragas e doenças, adaptadas às diferentes regiões do País. O programa é coordenado pelo Consórcio Pesquisa Café, que reúne cerca de 50 instituições de ensino, pesquisa e extensão rural localizadas em diversas regiões produtoras do País. Desde sua criação em 1997, já executou cerca de 4.550 planos de pesquisa.

 

Leia também:

Brasil exportou quase três milhões de sacas de café em março

Preço do café robusta inicia abril em alta

Brasileiro não deve abrir mão do cafezinho em tempos de crise

 

 

Deixe seu comentário

Leia mais