DATA: 21/09/2015

Projeto Biomas na Amazônia quer plantar 50 mil árvores até 2017

O objetivo do programa é recuperar e promover o uso sustentável de propriedades rurais

O Projeto Biomas na Amazônia comemora a marca de 24 mil árvores já plantadas na região de Marabá, sudeste do Pará, e anuncia que até 2017 mais 50 mil serão plantadas no local, entre espécies frutíferas e lenhosas. Os resultados dos primeiros cinco anos do projeto são demonstrados neste vídeo que acaba de ser disponibilizado nas redes sociais.

Executado pela Embrapa e Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), com a parceria de instituições de pesquisa, ensino e extensão nos seis biomas brasileiros, o projeto tem o objetivo de plantar árvores para recuperar, proteger e promover o uso sustentável de propriedades rurais, além de validar e aprimorar o Código Florestal Brasileiro.

Além do estoque de carbono e interferência no clima, as árvores produzem alimento e possuem aplicações econômicas dentro do setor agropecuário. De acordo com Alexandre Mehl Lunz, pesquisador da Embrapa Amazônia Oriental e coordenador regional desta iniciativa, o projeto atua nas áreas de preservação permanente (APPs) – que são áreas totalmente protegidas, como as nascentes, o leito dos rios, matas de encostas, topos dos morros, entre outras áreas mais vulneráveis; nas áreas de reserva legal (ARLs) – que são as áreas que o produtor não pode desmatar, mas pode manejar e utilizar de forma sustentável; e nas áreas de sistemas de produção (ASPs), aquelas destinadas aos plantios e pastos. “O plantio de árvores recupera e protege APPs, torna as áreas de reserva legal mais produtivas com o manejo de espécies frutíferas e madeireiras, por exemplo, e compõe os sistemas de produção”, explica o pesquisador.

Na Amazônia, o Projeto Biomas foi implantado em duas áreas: uma área experimental de 36 hectares, na Fazenda Cristalina, em São Domingos do Araguaia, região metropolitana de Marabá; e uma área de referência na Fundação Zoobotânica de Marabá, sudeste paraense. São 22 subprojetos, envolvendo cerca de 80 pesquisadores de 11 instituições brasileiras de pesquisa e ensino. “Estamos mostrando, por meio da nossa pesquisa, o quanto a árvore é importante na área rural. Aos produtores rurais, demonstramos como utilizar a árvore da melhor maneira, para que eles obtenham retornos ambientais e econômicos”, explica Alexandre Mehl.

O Projeto Biomas, iniciado em 2010, é fruto de uma parceria entre a Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) e a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), com a participação de mais de quatrocentos pesquisadores e professores de diferentes instituições, em um prazo de nove anos.

Os estudos estão sendo desenvolvidos para viabilizar soluções com árvores para a proteção, recuperação e o uso sustentável de propriedades rurais nos diferentes biomas brasileiros. O Projeto Biomas tem o apoio do SENAR, SEBRAE, Monsanto e John Deere.

 

 


Comente essa notícia.

Faça seu cadastro ou login gratuito para enviar comentários.