Produtores gaúchos de uva podem ter dificuldade para pagar seguro rural

O setor produtivo se mostrou preocupado com a capacidade de pagamento das apólices por parte dos agricultores gaúchos

O ministro interino da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, André Nassar, recebeu na última terça-feira (19/01) representantes de viticultores do Rio Grande do Sul para discutir o pagamento do seguro agrícola da uva na região. O setor produtivo se mostrou preocupado com a capacidade de pagamento das apólices por parte dos agricultores gaúchos, uma vez que a atual safra sofreu grandes perdas por conta do excesso de chuva, granizo e geada.

 

André Nassar esclareceu, que em 2015, o Ministério da Agricultura (Mapa) executou 100% do orçamento previsto para subvenção ao seguro rural da uva, que foi de R$ 20 milhões, atendendo a 5.356 produtores em todo o País. O Rio Grande do Sul recebeu 63% desse montante, equivalente a R$ 12,6 milhões, com 4.209 agricultores contemplados. O montante de R$ 20 milhões para a uva foi definido em 12 de agosto de 2015 por meio de resolução do Comitê Gestor Interministerial do Seguro Rural, publicada no Diário Oficial da União.

 

O ministro esclareceu que, em 6 de novembro de 2015, o Mapa publicou um comunicado destinado aos produtores rurais e ao mercado no qual informa que as operações do seguro rurais estavam encerradas a partir daquela data. O documento afirma que o Mapa não autorizaria mais qualquer contratação de seguro com subvenção federal.

 

Recursos em 2016

Nassar disse que o seguro agrícola da safra 2016/2017, que começa em julho, será mais robusto que do ano passado, com aumento de recursos e de produtores atendidos. O Orçamento 2016 sancionado pela presidente Dilma Rousseff destina R$ 741 milhões ao instrumento, valor quase três vezes maior que o executado para pagamento das apólices de 2015.

 

“Na próxima safra, o seguro rural voltará à sua trajetória. Será uma retomada com vigor. Entraremos em uma nova geração do programa e ele ficará ainda melhor, com mais orçamento e mais produtores subvencionados”, diz André Nassar.

 

É importante lembrar que mais da metade do valor executado no ano passado foi utilizado para pagamento de contratos referente ao ano de 2014, que não haviam sido quitados, o que prejudicou o andamento do programa. Em 2015, o Mapa destinou R$ 577,3 milhões para o seguro rural, sendo R$ 282,2 milhões para pagamentos de apólices do ano passado e R$ 295,1 milhões para o ano de 2014.

 

Deixe seu comentário

Leia mais