Produtores assentados comemoram a colheita de melancias no Acre

Em dois meses, os produtores já colheram mil melancias e devem colher mais mil, nos próximos dias

Um exemplo de como a reforma agrária é importante para dar oportunidade a quem sonha ter um pedaço de terra e produzir vem do recém-criado Projeto de Assentamento Walter Arce, localizado na Estrada do Mutum, em Rio Branco (AC).

 

Na terça-feira (05/01), Paulo Sérgio Braña, coordenador do núcleo operacional Rio Branco da Emater, que é a responsável pela assistência técnica no assentamento, acompanhou a colheita da primeira produção das novas famílias assentadas pelo Incra.

 

Na propriedade do casal Djalma Pereira e Carmina Jardim, um exemplo de como a força de vontade e o apoio técnico são capazes de render bons frutos. Os dois estão assentados no local há apenas 65 dias. Mesmo assim, já estão comemorando a colheita da primeira produção.

 

Desde que foram assentados, o casal pensou em um plantio de uma cultura rápida e que tivesse garantia do retorno financeiro. Decidiram pelo cultivo da melancia. Fizeram todo o preparo da terra, com a orientação técnica da Emater, e plantaram 2,5 mil pés da fruta, em menos de um hectare. O resultado foi surpreendente. Em dois meses, os produtores já colheram mil melancias e devem colher mais mil, nos próximos dias. O tamanho, sabor e beleza das frutas impressionam. Cada melancia pesa, em média, 17 quilos.

 

Carmina Jardim, que sempre tirou da terra o seu sustento, emociona-se e agradece pela oportunidade de produzir. “O que nós fizemos aqui é incrível. Chegamos, e só tinha mato. Pensei que não ia conseguir. A felicidade é muito grande, porque estamos produzindo no que é nosso. Essa é a melhor produção que já tivemos”, afirma.

 

Toda a produção de melancias já tem comercialização garantida. Uma rede de supermercados da capital acreana adquire as frutas, o que garante renda com a venda do que foi plantado em menos de um hectare. Por isso, a intenção é triplicar o tamanho da área do plantio de melancia.

 

 

Deixe seu comentário