DATA: 15/09/2015

Produção agropecuária supera R$ 473 bilhões em 2015

A liderança do Valor Bruto da Produção Agropecuária continua sendo da região Sul, que deve totalizar R$ 136,96 bilhões

O Valor Bruto da Produção Agropecuária (VBP) brasileira deverá ser de R$ 473,2 bilhões em 2015, um crescimento de 1% em relação aos R$ 468,6 bilhões registrados no ano passado. Com base no levantamento de agosto do Ministério da Agricultura, o avanço da pecuária chega a 2,2% e elevam a produção do setor para R$ 169,88 bilhões, enquanto a agricultura cresce 0,3%, registrando um VBP de R$ 303,34 bilhões.

Os ganhos na pecuária chegam a 2,2% e elevam a produção do setor para R$ 169,88 bilhões, enquanto as 21 culturas analisadas aumentaram 0,3% e totalizam R$ 303,34 bilhões, informou o coordenador-geral de Estudos e Análises da secretaria, José Garcia Gasques.

Gasques disse que, neste ano, há uma combinação de ganhos de produtividade de grãos da ordem de 5,3% em relação ao ano passado, embora os preços estejam mais baixos para a maior parte das commodities (produtos básicos com cotação internacional) agrícolas. Daí o crescimento de apenas 0,3% no VBP agrícola.

Os produtos com maior acréscimo no valor da produção foram: cebola (147,5%), mamona (99,4%), pimenta do reino (58,6%), trigo (7,5%), soja (3,7%), milho (3,4%) e café (1,6%). Em contrapartida, as maiores quedas em faturamento foram registradas com a maçã (- 21,6%), a uva (-19,2%), o tomate (-13,8%), a batata (-8,8%) e a mandioca (-8,3%).

A pecuária mostra desempenho melhor, principalmente por causa dos resultados positivos da carne bovina, que teve com incremento de 10,2% no ano, dos ovos e suínos, com aumentos mais modestos, afirmou Gasques. Compensam, contudo, as retrações de 6,5% e de 3,5% nas produções de leite e de carne de frango, respectivamente.

As estimativas regionais mostram que a liderança do VBP continua com a Região Sul (R$ 136,96 bilhões), seguida pelo Centro-Oeste (R$ 127,34 bilhões), Sudeste (R$ 120,11 bilhões), Nordeste, (R$ 47 bilhões) e Norte (R$ 27,97 bilhões).


Comente essa notícia.

Faça seu cadastro ou login gratuito para enviar comentários.

Leia mais