Grãos de soja.

Primeira soja transgênica totalmente brasileira chega ao mercado

A tecnologia combina o uso de cultivares de soja com herbicida para o manejo de plantas daninhas de folhas largas e estreitas

A Embrapa e a Basf lançam o Sistema de Produção Cultivance, que representa um marco para a ciência brasileira por conter a primeira soja geneticamente modificada totalmente desenvolvida no Brasil. A tecnologia combina a utilização de cultivares de soja com herbicida de amplo espectro de ação para o manejo de plantas daninhas de folhas largas e estreitas.

 

O sistema atenderá a todas as regiões do País. Porém, nesse primeiro momento, alcançará oito estados brasileiros de forma parcial: Mato Grosso do Sul, Goiás, Mato Grosso, São Paulo, Paraná, Minas Gerais, Rondônia, Bahia e DF. A distribuição leva em consideração as características das cultivares que serão colocadas no mercado na safra 2015/2016.

 

À medida que houver registros de novas cultivares de soja, a comercialização será expandida para outros estados. A soja Cultivance está aprovada para importação em 17 países e na União Europeia. “É a primeira vez que uma planta de soja geneticamente modificada, completamente desenvolvida no Brasil, desde o laboratório até a comercialização, entra no mercado, com aprovação nos principais países importadores dessa importante oleaginosa”, destaca Maurício Antônio Lopes, presidente da Embrapa. “Trata-se de uma tecnologia totalmente verde-amarela, desde a concepção à comercialização, além de ser uma importante e viável alternativa às já existentes”, afirma o vice-presidente sênior da divisão de proteção de cultivos para América Latina da Basf, Eduardo Leduc.

 

O diferencial está na combinação de variedades geneticamente modificadas e no uso de herbicidas da classe das imidazolinonas para o controle de plantas daninhas. “Essa ferramenta, ao ser integrada ao sistema de produção de soja, abre perspectiva para que o produtor brasileiro possa rotacionar herbicidas com diferentes mecanismos de ação para o manejo de plantas daninhas de difícil controle”, explica o pesquisador da Embrapa Soja, Carlos Arrabal Arias. Ele se refere à possibilidade de o produtor alternar entre diferentes tecnologias para evitar a seleção de plantas daninhas resistentes.

 

O Brasil tem atualmente 34 casos de resistência de plantas daninhas. A cada safra, o manejo de espécies como a buva, o azevém e o capim-amargoso preocupa mais produtores, técnicos e pesquisadores. “Isso porque as plantas daninhas competem com a soja por luz, água e nutrientes, o que pode reduzir a produtividade”, diz o pesquisador Fernando Adegas, da Embrapa Soja. “Também interferem na eficiência da colheita, no aumento do nível de impurezas e na umidade dos grãos”, relata. Por isso, a expectativa da Embrapa e da Basf é que o Sistema Cultivance possa ser opção tecnológica para o manejo das áreas afetadas por plantas daninhas de difícil controle.

 

O desenvolvimento dessa tecnologia levou quase 20 anos, considerando desde a pesquisa em laboratório até seu registro comercial e chegada ao campo. “Tivemos aproximadamente 35 cientistas envolvidos no desenvolvimento e na geração de dados que subsidiaram seu processo de liberação comercial no Brasil, isso sem considerar as equipes de apoio de laboratórios, casas de vegetação e campo”, diz Arias.

 

A Basf possui a patente do gene ahas (gene aceto-hidroxiácido sintase), extraído da planta Arabdopsis thaliana, que confere tolerância ao herbicida da classe das imidazolinonas. Em 1997, a Basf disponibilizou o gene ahas para a Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia (DF), que desenvolveu um método inovador de transformação vegetal, possibilitando sua introdução no genoma da soja. Segundo Elibio Rech, pesquisador da Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia, a Cultivance é uma demonstração da capacidade e da competência da ciência e da tecnologia nacionais. “É um produto de alto valor agregado com muito potencial para incrementar ainda mais o agronegócio brasileiro”, afirma. Além disso, é um exemplo prático de alto impacto envolvendo parceria público- privada e pode contribuir significativamente para consolidar a importância do Brasil na biotecnologia mundial.

 

Seguindo rigorosos processos de segurança, a Embrapa Soja (PR) realizou vários cruzamentos genéticos para obter cultivares com grande potencial produtivo e que expressassem tolerância ao herbicida da classe das imidazolinonas.

 

Na safra 2006/2007, a Embrapa passou a avaliar como as plantas transgênicas se comportavam no meio ambiente. “Tínhamos que realizar testes para comprovar a segurança da tecnologia para o meio ambiente, para a saúde humana e animal e, paralelamente, trabalhar no desenvolvimento de cultivares comerciais de soja”, lembra Arias.

 

No caso da Cultivance, por três safras foram conduzidos experimentos em sete locais do Brasil para avaliar se as plantas transgênicas tinham padrão de comportamento similar às convencionais. Os pesquisadores compararam as características gerais da planta, como rendimento, ciclo de desenvolvimento, resistência ao acamamento, altura de plantas, qualidade de sementes, de óleo, teor de proteína, entre outros.

 

Além das avaliações realizadas a campo, os produtos geneticamente modificados passam por diversos testes em laboratório para análise de equivalência nutricional dos grãos e de caracterização molecular.  Para realizar os ensaios a campo, a Embrapa e a Basf solicitaram anualmente  à Comissão Técnica Nacional de Biossegurança (CTNBio) autorização para implantar os experimentos de soja transgênica. “Depois de aprovado, o experimento passou por constante fiscalização do Ministério da Agricultura”, conta Arias.

 

Em 2009, a CTNBio aprovou formalmente a comercialização da tecnologia Cultivance no mercado brasileiro. Em seguida, Basf e Embrapa buscaram aprovação dessa tecnologia em diversos países compradores da soja brasileira, como China e União Europeia.

 

Em 2013, foi feito o primeiro registro comercial de uma cultivar do Sistema Cultivance. Embora tenha sido aprovada no Brasil em dezembro de 2009, as duas empresas desenvolvedoras decidiram aguardar as aprovações dos países importadores da soja brasileira, como China, Estados Unidos, Japão e, por fim, a União Europeia, para lançar a tecnologia no Brasil. “Por isso, foram quase 20 anos desde o início da pesquisa conjunta até sua regulamentação comercial nos principais países compradores da soja brasileira”, diz Arias.

 

A importância da rotação de princípios ativos

O uso excessivo e frequente de um mesmo herbicida na mesma lavoura tem como uma das principais consequências o aparecimento de plantas daninhas resistentes. Voltado à solução desse problema, o Sistema de Produção Cultivance chega ao mercado como opção tecnológica para auxiliar os agricultores no manejo de plantas daninhas resistentes ao glifosato, principal herbicida utilizado atualmente por sojicultores. Entre os 34 casos de resistência de plantas daninhas a herbicidas registrados no Brasil, alguns são de espécies de buva, azevém, capim-amargoso e chloris resistentes ao glifosato.

 

O pesquisador Fernando Adegas, da Embrapa Soja, explica que a seleção de plantas daninhas resistentes a herbicidas é resultado do uso continuado do mesmo produto na mesma área, sem a rotação de mecanismos de ação. Ao se usar o mesmo herbicida, por um longo período de tempo, o produto elimina a maioria das plantas daninhas, mas seleciona as que são mais tolerantes e as resistentes a ele. “A médio e longo prazos, as plantas resistentes selecionadas aumentam nas lavouras e começam a causar problemas para seu controle.”

 

Mais de 90% dos 31 milhões de hectares cultivados com soja no Brasil utilizam sementes de plantas geneticamente modificadas para a resistência ao herbicida glifosato. Atualmente, estima-se que a resistência ao glifosato esteja disseminada em aproximadamente 30% da área geográfica de cultivo de soja. “Isso não significa que todas as propriedades dentro dessa área de abrangência têm problema de resistência”, diz Adegas. “Mesmo assim é um número alarmante.”

 

Nesse cenário, o Cultivance é uma ferramenta a mais para que o produtor brasileiro possa realizar o manejo das plantas daninhas resistentes ao glifosato, pois utiliza um herbicida de outro mecanismo de ação, do grupo das imidazolinonas, registrado com o nome de Soyvance Pré. O herbicida deve ser aplicado logo após a semeadura da soja até o primeiro estágio de desenvolvimento da cultura (estádio V1) na operação denominada de Plante e Aplique.

 

 

Deixe seu comentário