Portos do Arco Norte ganham importância no escoamento de soja e milho

O porto de Santos continua sendo o principal canal de escoamento de grãos, apesar do crescimento dos outros terminais

Com a projeção de aumento de 50 milhões de toneladas na produção brasileira de soja e milho na safra 2016/2017, saltando de 162 milhões de toneladas para 211,2 milhões de toneladas e com a expectativa de exportar 51,13% desse volume (108 milhões toneladas de soja em grão e farelo e de milho) neste ano, os portos brasileiros ganham importância para a recuperação da economia, rendendo divisas.

 

Porto de Santos

O porto de Santos continua sendo o principal canal de escoamento de milho e soja, apesar do crescimento apresentado pelos portos do Arco Norte (Itacoatiara e Itaqui, no Maranhão, Santarém e Barcarena, no Pará, e Salvador (BA). De acordo com estudo da movimentação dos portos realizado pela Secretaria de Política Agrícola (SPA) do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), no período de janeiro a julho deste ano, pela cidade paulista, foram embarcados 21,4 milhões de toneladas de milho e soja. A expectativa é de que chegue a 37 milhões de toneladas até o fim do ano.

 

Arco Norte

Os portos do Arco Norte foram responsáveis pelo embarque, entre janeiro e julho, de 15,3 milhões de toneladas de milho e soja, número que deve crescer até 26 milhões de toneladas nos 12 meses do ano. O Arco Norte já corresponde por 24% do total desses produtos exportados. A capacidade portuária (de embarque) desses portos alcança 40 milhões de toneladas.

 

Para o coordenador-geral de Infraestrutura, Logística e Geoconhecimento para o Setor Agropecuário, da SPA, Carlos Alberto Nunes Batista, o volume embarcado pelos portos do Norte e do Nordeste demonstra evolução significativa na logística de exportação dos produtos agrícolas brasileiros. “Isso confirma a efetividade dos investimentos privados nessas regiões, além de contribuir para a redução do custo logístico na exportação e a menor pressão nos portos do Sul e Sudeste”, disse. Carlos Alberto acrescenta que esses corredores reduzem as distâncias rodoviárias, já que disponibilizam a intermodalidade de transporte rodo-hidroviário e rodo-ferroviário.

 

De acordo com comunicado do Mapa, processos de gestão implementados pelo Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT) e pela Polícia Rodoviária Federal, na BR-163, em território paraense, serão adotados em caráter preventivo em 2018, devendo assegurar a regularidade do tráfego no escoamento da safra 2017/2018, alerta o coordenador-geral.

 

Porto de Paranaguá

A movimentação em outros portos como o de Paranaguá (PR), de janeiro a julho deste ano, registrou remessas de 11,8 milhões de toneladas de soja e milho. Já os portos de Santa Catarina (Imbituba e São Francisco) embarcaram 4,8 milhões de toneladas. O porto do Rio Grande (RS) teve movimentação de 8,6 milhões de toneladas e o de Vitória (ES), 2,9 milhões de toneladas de soja e milho.

 

O setor agrícola tem recebido atenção especial para conferir maior competitividade aos produtos exportados e a agricultura tem contribuído para a economia do país, salienta o secretário de Política Agrícola, Neri Geller.

 

Rodovias

As principais rodovias que cortam áreas produtivas do estado do Mato Grosso recebem manutenção para manter a trafegabilidade e o fluxo dos produtos em direção aos portos e às zonas agroindustriais. Geller lembra ainda a recente liberação da licença de instalação para construção de oito pontes de concreto na BR 242, localizadas entre Nova Ubiratã e Santiago do Norte, no Mato Grosso, “deve contribuir para a melhoria da logística para a produção da área de influência da rodovia”.

 

Faltando ainda cinco meses até o fechamento do ano, não resta dúvida de que as exportações de soja e milho neste ano atingirão novo recorde, podendo alcançar 76 milhões de toneladas de soja (grão e farelo) e 32 milhões de toneladas de milho, conclui Geller.

 

Conheça a revista Farming Brasil!

Revista Farming Brasil. Ano 1, edição 2.
Farming Brasil

A segunda edição da revista Farming Brasil foi lançada com mais de 100 páginas de conteúdo agronômico. Na reportagem de capa, produtores revelam os detalhes do manejo de sucesso que garantiram uma colheita de 290 sacas de milho por hectare.

As reportagens contam como melhorar a gestão de insumos, apresentam técnicas de manejo, novidades no mercado de maquinário agrícola e dicas preciosas para ajudar o agricultor e o pecuarista a lucrar mais na fazenda. Para adquirir a revista, entre em contato conosco (a revista custa R$ 14,90 + frete de R$ 6,50. Clique aqui para enviar o seu pedido.

 

 

Revista Successful Farming Brasil
Revista Farming Brasil

A primeira edição aborda os sistemas de Integração Lavoura-Pecuária e Integração Lavoura-Pecuária-Floresta. A equipe de reportagem ouviu produtores de Norte a Sul do Brasil e coletou os melhores depoimentos que ensinam a ter sucesso na implantação desses sistemas.

Em outra reportagem exclusiva, sojicultores contam os segredos de manejo nas lavouras de soja que garantiram produtividade acima de 100 sacas por hectare. Há também reportagens sobre o manejo de pragas com produtos biológicos, soluções para evitar a compactação de solo, como o uso de drones avança no campo, entre outros temas. Para adquirir a revista (R$ 14,90 + frete de R$ 6,50), clique aqui para enviar o seu pedido.

Cadastre-se para receber notícias gratuitamente da Farming Brasil por e-mail: sfagro.com.br/cadastro

Qual é a sua dúvida agronômica? Para pedir uma reportagem ao site SF Agro, clique aqui e envie uma mensagem para a equipe de jornalistas.

 

 

 

Deixe seu comentário

Leia mais