DATA: 12/01/2016

Piscicultura aumenta renda de agricultores do Vale do Jequinhonha

Projeto em Leme do Prado foi idealizado pela Emater-MG e beneficia 35 famílias

Nem sempre é possível para o agricultor familiar obter resultados satisfatórios com apenas uma atividade. Em muitos casos é preciso diversificar a produção. É isso que produtores de Leme do Prado, no Vale do Jequitinhonha (MG), fizeram. Com incentivo da Emater-MG, eles decidiram investir em piscicultura. O resultado tem sido o complemento da renda familiar e alimentos de maior qualidade.

 

Tudo começou em 2012, quando extensionistas da Emater-MG sugeriram que os agricultores familiares investissem na criação de peixes em tanques redes. Quinze famílias da Associação dos Produtores Rurais, Agricultores Familiares e Aquicultores de Mandassaia (Apromam) apostaram na ideia.

 

Piscicultura em alta

De acordo com o coordenador técnico regional da Emater-MG, Inácio de Oliveira, a proposta era estimular no município a produção de peixes, visando a geração de emprego e renda extra para as famílias de agricultores. Segundo ele, isso vai possibilitar a melhoria da qualidade de vida dos produtores e da alimentação da população.

 

“Em virtude da falta de opções agropecuárias viáveis para a região, pelo baixo índice pluviométrico, mercado, recursos financeiros e outras deficiências, parte da população migrava para outras regiões a procura de trabalho no período de corte de cana e colheita de café”, conta o coordenador técnico regional da Emater-MG, Inácio de Oliveira.

 

A iniciativa conta com a parceria da Prefeitura de Leme do Prado, que ficou responsável pela construção de estradas e apoio logístico. A Emater-MG ofereceu suporte técnico para as famílias interessadas. Desde o projeto técnico até a orientação para que os piscicultores tenham acesso aos recursos financeiros.

 

A Apromam, além de organizar e mobilizar os agricultores, destinou recursos para investir na atividade. Por meio do programa estadual Minas Sem Fome, a Apromam recebeu 39 tanques e ração para o primeiro ciclo de produção. Com o tempo, a associação adquiriu mais 15 tanques. A Apromam também comprou alevinos para o início da atividade e construiu um depósito de ração.

 

A produção de tilápias

A produção de tilápias é feita no lago da Hidrelétrica Presidente Juscelino Kubitschek, mais conhecida como Irapé, formado pelas águas do rio Jequitinhonha. Os tanques têm capacidade para engordar até 600 peixes. Entre seis e oito meses, as tilápias podem ser abatidas e comercializadas.

 

“O lago da Hidrelétrica de Irapé é uma grande fonte geradora de alimentos, ocupação e renda, sem modificar radicalmente os hábitos da população ribeirinha, que sempre pescou, trabalhou e viveu naquele ambiente simples e familiar”, diz Oliveira.

 

 


Comente essa notícia.

Faça seu cadastro ou login gratuito para enviar comentários.