DATA: 16/02/2016

Pesquisa analisa batatas para detectar verme que causa perdas na produção

O parasita causa o amarelecimento ou branqueamento de tecidos das folhas, além do mau desenvolvimento dos tubérculos

A Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo, por meio do Instituto Biológico (IB), realiza um estudo para proteger as produções de tubérculos, principalmente de batata, no Estado de São Paulo do verme conhecido como Cisto da Batata. O IB está se preparando para intensificar as análises fitossanitária de batata-semente importadas pelo Brasil.

 

O parasita causa o amarelecimento ou branqueamento de tecidos clorofilados das folhas, além do mau desenvolvimento dos tubérculos. Devido ao ataque, o produtor pode perder de 10% até 80% da produção, de acordo com o pesquisador da Secretaria, que atua no Instituto Biológico, Cláudio Marcelo Gonçalves de Oliveira.

 

De acordo com o Ministério da Agricultura (Mapa), a praga é considerada ausente no Brasil. No entanto, o risco de propagação é elevado, pois a espécie já foi detectada em vários países da Europa, na América do Norte e na maioria dos nossos países vizinhos: Argentina, Bolívia, Chile, Colômbia, Equador, Peru e Venezuela, uma vez que o centro de origem das duas espécies é a região dos Andes, na América do Sul.

 

Para o Secretário de Agricultura e Abastecimento, Arnaldo Jardim, é fundamental que as pragas sejam combatidas para garantir a saudabilidade dos nossos alimentos e a sanidade das produções. “Por isso, nossos técnicos estão trabalhando para evitar a propagação dessa praga e proteger nossas produções”, conta.

 

O diretor do Instituto Biológico, Antonio Batista Filho, disse que com o movimento de produtos agrícolas (commodities) em todo o mundo, aliado às alterações climáticas, o crescimento contínuo da população humana e às consequentes alterações no uso do solo e práticas agrícolas, possa surgir novas ameaças à produção agrícola, “quer seja a partir de espécies não descritas ou introdução de pragas de importância quarentenária”.

 


Comente essa notícia.

Faça seu cadastro ou login gratuito para enviar comentários.