DATA: 27/10/2015

Pesquisa agropecuária traz informações para apoiar trabalho no campo

O objetivo está em unir esforços no sentido de incentivar o desenvolvimento de tecnologias para o setor

Organizar toda a base de conhecimento da Embrapa para gerar soluções tecnológicas que ajudem o agricultor brasileiro a melhorar a sua produtividade é um desafio que pode ser superado com a tecnologia da informação e ferramentas de geotecnologias. A Empresa possui uma base robusta de informações e é necessário organizá-la para apoiar a tomada de decisão no campo, diz o diretor de Transferência de Tecnologia da Embrapa, Waldyr Stumpf Júnior. “É preciso que as informações cheguem ao produtor e é com essa preocupação que estamos desenvolvendo alguns sistemas”, conta Stumpf.

 

Para isso, também é fundamental construir parcerias que viabilizem a transferência dos resultados gerados pelas pesquisas agropecuárias. Com esse objetivo, pesquisadores da Embrapa e representantes do Banco do Brasil reuniram-se na Embrapa Informática Agropecuária (Campinas, SP), em 16 de outubro, visando unir esforços no sentido de incentivar o desenvolvimento de tecnologias que contribuam para a geração de renda, promovendo a inclusão socioeconômica e digital dos agricultores brasileiros.

 

Durante o encontro, os chefes-gerais da Embrapa Informática Agropecuária, Silvia Massruhá, e da Embrapa Monitoramento por Satélite, Evaristo de Miranda, coordenaram a apresentação de inovações desenvolvidas pelos dois centros de pesquisa com o uso de tecnologias da informação e geotecnologias, para identificar oportunidades de parcerias. O Sistema Web de Planejamento, Previsão e Monitoramento Agrícola WebAgritec, o Sistema de Inteligência Territorial Estratégica (Site) para Transferência de Tecnologia e o Sistema de Gestão Territorial da Macrologística Agropecuária são exemplos de ferramentas que podem auxiliar o trabalho de técnicos da Anater, a Agência Nacional de Assistência Técnica e Extensão Rural criada pelo governo em 2014 para ampliar e melhorar a qualidade da assistência técnica no País.

 

Todas essas informações são extremamente importantes nas análises de risco, de acordo com o vice-presidente de Tecnologia do Banco do Brasil, Geraldo Dezena. “A ideia é ampliar essa parceria e agregar tecnologias, trazer toda a base de conhecimento que a Embrapa tem e que, com certeza, vai ajudar não só na questão dos riscos e operações para o banco, mas também trazer informações de novos conhecimentos de tecnologias que ajudem os agricultores a terem grande produtividade”, destaca Dezena. As equipes técnicas da Embrapa e do Banco do Brasil vão elaborar um documento para subsidiar a formalização de um instrumento de cooperação técnica entre as instituições.

 

Desenvolvido para ajudar os profissionais do setor agropecuário na tomada de decisão, reduzindo os riscos inerentes à produção agrícola, o Sistema Web de Planejamento, Previsão e Monitoramento Agrícola WebAgritec agrega em um único ambiente vários produtos gerados pelas pesquisas da Embrapa. Conta com sete módulos que permitem uma visão geral do sistema produtivo e orientam o usuário no planejamento e acompanhamento das culturas de arroz, feijão, milho, soja e trigo. Permite gerar um conjunto de informações em forma de relatórios, mapas, gráficos e tabelas, em linguagem acessível, para que os usuários tomem suas decisões com eficiência.

 

A chefe-geral da Embrapa Informática Agropecuária, Silvia Massruhá, ressalta que a parceria vai permitir aperfeiçoar o WebAgritec para que a tecnologia funcione com dados atualizados em tempo real. O sistema apresenta informações do zoneamento agrícola sobre as épocas mais favoráveis ao plantio, cultivares mais apropriadas, indicações de calagem e adubação para cada cultura a partir de análises do solo, previsões e tendências das condições climáticas, doenças e distúrbios nutricionais que possam surgir no decorrer da safra e monitoramento da produção. Pela utilização via web, o sistema poderá ser usado em qualquer lugar que tenha acesso à internet, facilitando a consultoria simultânea a diversas propriedades.

 

O Sistema de Inteligência Territorial Estratégica (Site) para Transferência de Tecnologia foi o tema da apresentação do chefe-geral da Embrapa Monitoramento por Satélite. O Site considera a transferência de tecnologias para territórios coerentes e ultrapassa a visão limitada a cadeias produtivas ou categorias de produtores. Os dados e informações são reunidos e organizados em cinco dimensões ou quadros: natural, agrário, agrícola, socioeconômico e de infraestrutura. Essa estruturação é realizada pela área de Inteligência Territorial Estratégica da Unidade.

 

Para Miranda, essa organização favorece análises integradas territoriais e a obtenção de informações estratégicas sobre territórios relativamente homogêneos quanto a seus problemas e potenciais para o desenvolvimento agropecuário. Isso auxilia na definição de prioridades, otimiza a aplicação de recursos e o foco dos programas privados e governamentais. É o caso do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa). O trabalho de delimitação territorial do Matopiba, realizado pela equipe, foi utilizado pelo Ministério para subsidiar a criação da Agência de Desenvolvimento do Matopiba. Outro trabalho apresentado foi o Sistema de Gestão Territorial da Macrologística Agropecuária. Ele integra áreas de produção, armazenagem, escoamento da safra aos portos, cabotagem, pontas rodoferroviárias e cargas de interesse.

 

 

 


Comente essa notícia.

Faça seu cadastro ou login gratuito para enviar comentários.

Leia mais