DATA: 23/11/2015

Pela primeira vez, Brasil poderá exportar gado vivo para a Bolívia

Os interessados em exportar deverão entrar em contato com as superintendências federais de Agricultura do Mapa para se informar sobre os requisitos sanitários

O Brasil pode exportar bovinos vivos para fins de reprodução em larga escala para a Bolívia. A autorização para a entrada de gado brasileiro na Bolívia, pela primeira vez, é um dos resultados da reunião entre técnicos do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) e do Serviço Nacional de Sanidade Agropecuária e Inocuidade Alimentar (Senasag) boliviano.

 

Os técnicos dos dois países chegaram a um acordo sobre o novo modelo de certificado zoosssanitário internacional (CZI), que viabilizará as exportações de bovinos destinados à reprodução na Bolívia. De acordo com os representantes do Mapa, isso possibilitará mais uma oportunidade de comércio entre produtores brasileiros e bolivianos, além de contribuir para a coerção do contrabando de animais na região de fronteira entre os dois países.

 

“A autorização das exportações de gado para Bolívia representa o reconhecimento por parte do Serviço Veterinário daquele país da excelente condição sanitária do rebanho brasileiro”, conta o diretor do Departamento de Saúde Animal do Mapa, Guilherme Henrique Figueiredo Marques.

 

Marques informou também que os interessados em exportar bovinos para Bolívia deverão entrar em contato com as superintendências federais de Agricultura do Mapa para tomar conhecimento dos requisitos sanitários fixados pelas autoridades locais.

 

O Mapa também se comprometeu a apoiar aquele país para avançar nas ações de prevenção e diagnóstico da encefalopatia espongiforme bovina, conhecida popularmente como doença da “vaca louca”. “Essa é mais uma iniciativa do Mapa que reforça o controle sanitário dos dois países em prol do avanço da pecuária regional, estando alinhada às diretrizes estabelecidas pela ministra Kátia Abreu no Plano Nacional de Defesa Agropecuária”, diz Marques.

 


Comente essa notícia.

Faça seu cadastro ou login gratuito para enviar comentários.

Leia mais