Projeto Biomas

Terceira etapa do Projeto Biomas tem início na Amazônia

Na área do projeto de Integração Lavoura-Pecuária-Floresta iniciou-se o terceiro ano com milho em sistema de plantio direto

O projeto Biomas inicia mais uma etapa na Amazônia. Na primeira quinzena deste mês, três subprojetos começaram as atividades de campo: medição de árvores de paricá, coleta de solo para análises físico-químicas e o plantio de milho nas entrelinhas do eucalipto na perspectiva integração-lavoura-pecuária-floresta (ILPF).

 

De acordo com o engenheiro florestal Alexandre Mehl Lunz, pesquisador da Embrapa Amazônia Oriental e coordenador regional do Biomas Amazônia, as primeiras ações de pesquisa de 2016 começaram mais tardiamente em comparação aos anos anteriores. “Enquanto nas estações chuvosas anteriores (2013/2014 e 2014/2015) os trabalhos de campo começaram em dezembro, o período referente a 2015/2016 se inicia efetivamente em janeiro devido à demora no estabelecimento regular das chuvas na região”, diz.

 

Os pesquisadores fizeram a medição de 588 árvores de paricá (Schizolobium parahyba var. amazonicum), que nesse período completaram exatamente um ano de plantadas. O objetivo, de acordo com o coordenador dessa ação, Alexandre Lunz, é acompanhar o desenvolvimento das plantas mediante os diferentes tratamentos testados, como adubação química convencional e testes com microrganismos indutores de crescimento, como fungos e bactérias.

 

Na área do projeto de Integração Lavoura-Pecuária-Floresta iniciou-se o terceiro ano agrícola plantando milho em sistema de plantio direto para que, junto com a adubação em cobertura, haja a distribuição das sementes de capim Brachiaria. Após a colheita do milho, o gado bovino será inserido no sistema. “Esse terceiro componente, que é a pecuária, entrará no sistema e ocupará o espaço entre as árvores de eucalipto (floresta), após os três ciclos de cultivo de grãos: lavouras de milho, depois soja e novamente milho”, conta o pesquisador Roni de Azevedo, da Embrapa Amazônia Oriental.

 

Já em área de sistema silvipastoril, os pesquisadores estão iniciando o plantio da pastagem, “o que permitirá a entrada dos animais para dar início as avaliações de ganho de peso animal”, explica a pesquisadora Gladys Martinez, da Embrapa Amazônia Oriental.

 

Recursos

O projeto Biomas conta agora com recursos do BNDES. “Levamos um tempo razoável no segundo semestre de 2015 para nos adequar à nova realidade financeira do Projeto Biomas, de modo que agora conseguimos estar de acordo com as novas exigências e finalmente nos voltarmos ao objetivo do projeto, que é fazer ciência através dos plantios e suas avaliações”, destaca Alexandre Lunz. A terceira fase de plantios do Bioma Amazônia prossegue nos meses seguintes, especialmente em projetos envolvendo pesquisas com áreas de reserva legal (ARL) e de sistemas de produção (ASP), até o final de março.

 

Deixe seu comentário