funrural. produtores rurais. CNA. farming brasil

Municípios com economia focada no agronegócio crescem muito acima da média

Cidades com maior valor da produção agropecuária têm PIB per capita de R$ 53,2 mil, enquanto a média nacional é de R$ 26,4 mil

Os municípios com economia local voltada para a agricultura e a pecuária geraram mais riqueza para seus habitantes do que a média nacional que engloba todas as cidades brasileiras. O Produto Interno Bruto (PIB) per capita dos municípios brasileiros com maior valor da produção agropecuária cresceu 72,6% entre 2010 e 2013. Enquanto isso, o PIB per capita do Brasil cresceu bem menos, avançou 33% durante esse mesmo período.

 

A constatação é do estudo da Secretaria de Política Agrícola (SPA) do Ministério da Agricultura (Mapa), com base em dados das pesquisas Produção Agrícola Municipal de 2014 e PIB Municipal de 2013, divulgadas recentemente pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

 

A prosperidade mora no campo

O resultado da análise mostra que os municípios com maior valor da produção agropecuária têm PIB per capita de R$ 53.228. Enquanto isso, a média nacional é de um PIB per capita de R$ 26.445 da média nacional.

 

Os municípios com maior valor da produção agropecuária se situam no Centro-Oeste (Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e Goiás) e Nordeste (Bahia). “Esses municípios também são classificados como principais produtores agrícolas. O trabalho da SPA levou em conta aqueles que plantam café, cana-de-açúcar, milho e soja”, diz o coordenador-geral de Estudos e Análises da SPA, José Gasques.

 

 

Segundo o estudo da SPA, grande parte dos municípios do agronegócio tem PIB superior ao dos seus Estados. “O crescimento do PIB per capita dessas localidades tem sido superior ao da média estadual”, afirma Gasques.

 

Estados produtores

A análise aponta dois exemplos de onde ocorre essa situação. Um deles é o município baiano de São Desidério, cujo PIB per capita teve aumento de 79,1% entre 2010 e 2013, enquanto a média do Estado foi de 23,3%. Correntina, também na Bahia, registrou aumento de 91,3%, quase cinco vezes mais que a média estadual de expansão do PIB.

 

As menores taxas de crescimento do Produto Interno Bruto entre 2010 e 2013 foram constatadas nos municípios produtores de café e cana-de-açúcar: 22,92% e 41,52%, respectivamente. Essas cidades se situam principalmente em Minas Gerais, Espírito Santo e São Paulo. Tais resultados podem estar refletindo problemas ocorridos em 2014, como quedas de preços na cana-de-açúcar e secas que afetaram áreas produtoras de ambas as culturas.

 

Ainda segundo a Coordenação-Geral de Estudos e Análises da SPA, Estado algum do Sul aparece nessa classificação, embora a região seja a segunda produtora de grãos do País. Do Sudeste, apenas Minas Gerais está incluído. Outra conclusão do estudo: apesar de ter o segundo maior valor da produção agrícola, São Paulo não tem nenhum município nessa relação.

 

Deixe seu comentário