Colheitadeira de trigo.
DATA: 03/03/2016

Mesmo com o preço do trigo em alta, mercado sinaliza redução da área

Produtores estão cautelosos por causa das incertezas com o clima e com o seguro de custeio, além dos custos de produção elevados

Os preços atuais do trigo em grão pagos ao produtor estão bem superiores aos de um ano atrás, segundo pesquisas do Cepea (Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada), da Esalq/USP. Apesar disso, ainda há incertezas sobre a área da temporada de inverno a ser semeada a partir de abril. Os primeiros levantamentos do Cepea junto a seus colaboradores indicam diminuição na área – estimativas oficiais ainda não foram divulgadas.

 

A cautela de produtores está relacionada às incertezas quanto ao clima, ao seguro de custeio e aos elevados custos de produção. Por enquanto, no Paraná, especialmente nas regiões norte e oeste, colaboradores do Cepea sinalizam diminuição da área de trigo e maior interesse pelo milho segunda safra, que apresenta preço alto e boa rentabilidade.

 

No Rio Grande do Sul e em Santa Catarina, colaboradores do Cepea também acreditam em diminuição na área de trigo. No Estado gaúcho, a cultura foi bastante prejudicada pelo clima nos dois últimos anos, o que desestimula os produtores.

 

Quanto aos preços, no correr de fevereiro, o maior interesse de moinhos pela compra de trigo no mercado doméstico e a baixa disponibilidade do produto de boa qualidade elevaram os valores internos do cereal, mesmo diante das baixas externas em grande parte do mês.

 

No mês, o valor do trigo no mercado de lotes (negociações entre empresas) subiu 2,9% em São Paulo, 1,8% no Rio Grande do Sul e 0,9% no Paraná. No mercado de balcão (ao produtor), as altas foram de 1,7% no Rio Grande do Sul e de 0,3% no Paraná. Em relação ao valor nominal (não atualizado pela inflação) de fevereiro de 2015, os aumentos ao produtor são de 36,2% no Rio Grande do Sul e de 30,7% no Paraná. No mercado de lotes, as elevações são de 30,7% no Paraná, 26% no Rio Grande do Sul e de 24,2% em São Paulo.

 

As vantagens do milho

O principal concorrente do trigo está bem atraente ao produtor. Os preços do milho no mercado doméstico seguem firmes em todas as regiões acompanhadas pelo Cepea. Neste início de março, o Indicador ESALQ/BM&FBovespa (base Campinas-SP) voltou a fechar acima dos R$ 44,00/sc de 60 kg. Em termos reais, a média de fevereiro foi a maior desde dez/12 (valores deflacionados pelo IGP-DI base jan/16). Segundo pesquisadores do Cepea, a colheita do milho primeira safra avança no Sul e Sudeste do País, mas chuvas no final de fevereiro dificultaram os trabalhos em algumas regiões, limitando a disponibilidade do grão no spot nacional, que foi bastante “enxugado” pelas exportações.

 

Em fevereiro, saíram de portos brasileiros mais de 5,37 milhões de toneladas, bem acima das 1,1 milhão de t de fevereiro/15. Paralelamente, as demandas interna e externa seguem firmes. Quanto ao milho da segunda safra, o semeio segue em bom ritmo e a estimativa é de aumento na área. A produtividade, no entanto, tem sempre grande dependência do comportamento do clima pelo menos até junho.

 

 


Comente essa notícia.

Faça seu cadastro ou login gratuito para enviar comentários.

Leia mais