DATA: 11/11/2015

Mercado mundial de defensivos agrícolas biológicos cresceu 15%

No Brasil, as estimativas indicam taxas anuais de crescimento de até 20% nas vendas entre 2011 e 2014

O mercado mundial de defensivos agrícolas biológicos tem registrado índice de crescimento cinco vezes superior ao da indústria de defensivo químico. Segundo dados consolidados pela CPL Business Consultantes, de 2011 a 2014, o mercado mundial desses produtos teve crescimento médio anual de 15,3%.

 

A tendência não é diferente no Brasil, onde a percepção é de que as vendas desse setor cresçam entre 15% a 20% nos próximos anos. As projeções foram divulgadas, em entrevista coletiva, concedida nesta terça-feira (10), em São Paulo, pela Associação Brasileira das Empresas de Controle Biológico (ABCBio), entidade que reúne os principais produtores desse mercado.

 

De acordo com dirigentes da ABCBio, fatores como uma nova mentalidade dos produtores agrícolas em relação ao manejo integrado de pragas (MIP), no qual os defensivos biológicos desempenham papel primordial, também auxiliam nas boas perspectivas de crescimento das vendas de defensivos biológicos no País nos próximos anos.

 

“A principal tendência no mercado é de que os biodefensivos acabem tendo uma convivência harmoniosa com os defensivos químicos”, comentou Ari Gitz, integrante do Conselho da ABCBio, acrescentando que há casos em que a prática do MIP tem gerado economia de até 26% em comparação com o uso de manejo tradicional.

 

O segmento foi favorecido ainda pela grande importância que os produtos de controle biológico tiveram em recentes e graves problemas fitossanitários surgidos em algumas culturas no Brasil. “O exemplo mais marcante dessa situação foi o aparecimento da Helicoverpa armigera, uma nova praga que já causou enormes prejuízos aos agricultores brasileiros e cujo controle, economicamente viável, só foi conseguido graças à introdução de inseticidas microbiológicos e de insetos parasitoides no plano de manejo de pragas”, explicou Pedro Faria Jr., presidente da ABCBio

 

Nesse sentido, ganha importância a atuação de institutos de pesquisas oficiais, onde surgiram muitas das novas tecnologias hoje disponíveis no mercado. Há um consenso no meio de que ainda há muita tecnologia e práticas de manejo para se desenvolver. O controle biológico ainda está num estágio inicial de desenvolvimento, havendo, portanto, muito conhecimento a ser gerado nesse campo.

 

Os defensivos biológicos chegaram para compor um pacote de ferramentas de manejo que resultem em soluções para problemas fitossanitários, no qual os químicos também estão inseridos. Para os técnicos da ABCBio, na agricultura moderna e sustentável, temos de utilizar, de forma conjunta, todas as ferramentas disponíveis.


Comente essa notícia.

Faça seu cadastro ou login gratuito para enviar comentários.

Leia mais