Integração Lavoura-Pecuária-Floresta - ILPF.

Manejo correto é essencial para qualidade de vida de bezerros

Pastos em geral apresentam micro-organismos que causam diarreia, a principal causa da morte de bezerros recém-nascidos

A média da mortalidade de bezerros do rebanho brasileiro é de 8%. Porém, por meio do manejo adequado, a Embrapa Pecuária Sudeste conseguiu reduzir esse valor pela metade.

 

É comum que pastos em geral apresentem micro-organismos que causam diarreia, principal causa da morte de bezerros recém-nascidos. Para que isso não aconteça, o veterinário Raul Mascarenhas, da Embrapa Pecuária Sudeste, recomenda que, três meses antes dos nascimentos, o piquete maternidade ao qual as vacas serão direcionadas seja isolado do trânsito de animais para que não haja contaminação.

 

Na Embrapa Pecuária Sudeste, logo após o parto, a mãe e o filhote são pesados, a condição do bezerro é avaliada e os animais recebem chip e brinco de identificação. Também é realizada a cura do umbigo com solução de álcool iodado a 7,5% e a aplicação de um endoectocida, remédio para matar as larvas de mosca e evitar o aparecimento de bicheira nos lugares onde o animal tem tecido vivo exposto, tais como umbigo e local de colocação do brinco.

 

Nas primeiras seis horas de vida, o animal deve ser supervisionado para assegurar que ele mamou o colostro, o primeiro leite secretado pós-parto, considerado “a primeira vacina” que o recém-nascido recebe. Sobre a nutrição, Mascarenhas diz que as vacas se alimentam do pasto disponível na fazenda. Caso o pasto se esgote, os animais passam a receber silagem no cocho.

 

Os filhotes mamam até os oito meses de idade, no caso dos bovinos de corte. “Algumas vezes, os bezerros são rejeitados e, nesta situação, o produtor precisa encontrar uma mãe de leite para o filhote ou fornecer leite de outras vacas na mamadeira, duas vezes ao dia”, diz.

 

Deixe seu comentário

Leia mais