Klabin produz primeiro fardo de celulose em sua nova fábrica no Paraná

Nova fábrica tem capacidade para produzir 1,5 milhão de toneladas de celulose

A Klabin, uma das maiores produtoras de papéis do Brasil, iniciou as operações da sua nova fábrica de celulose, localizada no município de Ortigueira, no Paraná. A companhia produziu o primeiro fardo de celulose da Unidade Puma na última sexta-feira, 4 de março, já com a certificação FSC – Forest Stewardship Council, na modalidade cadeia de custódia.

 

As obras da nova Unidade foram executadas em 24 meses, dentro do orçamento previsto. O projeto teve investimento total de R$ 8,5 bilhões. De acordo com o diretor-geral da Klabin, Fabio Schvartsman, essa representa o maior investimento dos quase 117 anos de história da empresa. “O começo das operações da Unidade Puma é mais um grande marco do ciclo de 10 anos de crescimento, iniciado em 2011, que temos planejado para a companhia”, diz Schvartsman.

 

Capacidade de produção

A Unidade Puma deve gerar cerca de 1,4 mil empregos diretos e indiretos, considerando as atividades industriais e florestais. Sua capacidade de produção será de 1,5 milhão de toneladas de celulose, dos quais 1,1 milhão de toneladas de celulose branqueada de fibra curta (eucalipto) e 400 mil toneladas de celulose branqueada de fibra longa (pínus), parte convertida em celulose fluff, sendo a única unidade industrial do mundo projetada para a produção das três fibras. Mais de 90% da produção total de celulose da nova fábrica já está vendida.

 

A celulose de fibra curta da Klabin leva a marca LyptusCel e a celulose de fibra longa foi batizada de PineCel. Denominada PineFluff, a celulose fluff da Klabin irá atender o mercado nacional que hoje importa essa matéria-prima utilizada na fabricação de fraldas, absorventes, entre outros produtos.

 

A nova fábrica também terá duas das maiores turbinas para geração de energia elétrica já fabricadas no mundo para a indústria de papel e celulose. A Unidade terá capacidade de produzir 270 MW, sendo 150 MW excedentes (o suficiente para abastecer uma cidade de 500 mil habitantes), elevando a Klabin à condição de autossuficiência em geração de energia elétrica. O raio médio entre a operação florestal e a nova fábrica é de 72 km, o que garante a competitividade e o baixo custo do transporte de madeira.

Deixe seu comentário