Nascente
DATA: 19/11/2015

Instituto de Sebastião Salgado tem plano para a recuperação do Rio Doce

Governo federal organizará comitê para que as empresas responsáveis pela tragédia apoiem o projeto com recursos financeiros Naiara Araújo

Após o rompimento das barragens da mineradora Samarco em Mariana (MG), o Instituto Terra desenvolveu um plano que prevê revitalização total do Rio Doce por meio de recuperação das nascentes e reconstrução das condições ecológicas.  O projeto visa a criação de um fundo com recursos financeiros doados pelas empresas envolvidas na tragédia.

 

1811_Instituto_terra

O fotógrafo Sebastião Salgado e a sua esposa Lélia Deluiz Wanickm

O Instituto foi fundado há 17 anos pelo fotógrafo Sebastião Salgado e a sua esposa Lélia Deluiz Wanickm, que têm propriedade no município de Aimorés (MG), na região do Rio Doce. Depois de recuperar as próprias terras com reflorestamento, produção de espécies da Mata Atlântica e reabilitação de nascentes, eles passaram a atuar na recuperação de áreas degradadas em toda a extensão do Vale do Rio Doce.

 

Na última semana, Sebastião Salgado, vice-presidente do Instituto Terra, apresentou o projeto à presidente Dilma Rousseff. De acordo com informações divulgadas pelo instituto, o governo federal assumiu o compromisso de criar um comitê para negociar a criação do fundo com as empresas responsáveis pelas barragens de Mariana.

 

“Já sabíamos que restabelecer a vida do Rio Doce seria um processo difícil e de longo prazo. Agora, exigirá mais empenho e urgência nas ações, bem como uma aprendizagem ambiental compartilhada com a sociedade”, informou o Instituto Terra em comunicado. “Mais do que nunca, o resgate do Rio Doce, destruído ecologicamente pelo desastre, passará por medidas de recuperação de todas as nascentes da bacia, para garantir uma maior produção de água, bem como a reconstituição das matas ciliares e das reservas legais, para evitar a sobreposição e acúmulo de mais resíduos.”

 


Comente essa notícia.

Faça seu cadastro ou login gratuito para enviar comentários.