DATA: 26/01/2016

Inseminação artificial melhora a pecuária de leite no Rio Grande do Sul

Com a técnica, é possível manter um número de lactantes permanentes e utilizar sêmen sexado para elevar o nascimento de fêmeas

Técnicos da Emater/RS-Ascar de Viamão e assistentes técnicos regionais da Instituição estão dando apoio e assistência técnica para melhorar a pecuária de leite da região. Na última semana, eles iniciaram os procedimentos de Inseminação Artificial em Tempo Fixo (IATF) na propriedade do pecuarista familiar Arlindo Colombo, na localidade de Estância Grande (RS). A técnica de IATF tem várias vantagens para o pequeno produtor, que necessita de melhoramento genético do rebanho e retorno financeiro, e é oferecida às unidades de produção assistidas.

 

No primeiro ano, o índice de concepção obtido na propriedade do pecuarista Arlindo Colombo foi de 75%, sendo que em anos anteriores não chegava a 30%. “Além disso, os terneiros nascidos a partir desta técnica têm uma genética mais compatível com produção de carne”, conta a técnica em Pecuária da Emater/RS-Ascar de Viamão, Carla Vogel Rodrigues.

 

Produtividade

De acordo com Carla, no Estado, a bovinocultura de corte se caracteriza pela criação extensiva, que apresenta baixos índices de produtividade e rentabilidade, principalmente em decorrência de comprometimentos na detecção do cio. “Quando há falhas na sua detecção, ocorrem significativas perdas na eficiência reprodutiva do rebanho, aumentando o intervalo entre partos”, diz Carla, ao destacar que o ponto crítico da pecuária de corte está no sistema de cria, devido à baixa fertilidade das fêmeas no pós-parto, pois o anestro torna-se prolongado, causado pela subnutrição e lactação.

 

Inseminação artificial

A proposta de uso deste procedimento é incrementar os índices reprodutivos dos rebanhos bovinos. As técnicas de IATF são fundamentadas, principalmente, na criação de protocolos que têm a função de induzir e/ou sincronizar o cio no período após o parto ou próximo à puberdade, possibilitando que a Inseminação Artificial (IA) seja realizada na data e horário previsto, em grande número de animais e em um curto período de tempo.

 

Entre as vantagens do uso da IATF estão concentração das parições, padronização dos terneiros e do rebanho, controle de doenças sexualmente transmissíveis, ordenação do trabalho na propriedade e diminuição do custo de reposição de touros. Tudo está ligado ao processo de melhoramento genético e na obtenção de animais com maior potencial de produção e reprodução.

 

Protocolos

A escolha do protocolo a ser utilizado depende da avaliação técnica das condições da propriedade e dos animais a serem inseminados, salienta Carla, ao explicar que alguns protocolos de IATF podem ser utilizados também para organizar a lactação nos bovinos de leite. A fertilidade das vacas leiteiras, principalmente as altamente produtivas, é mais baixa, devido a particularidades metabólicas, que tornam a concepção mais problemática, exigindo maior atenção na fase reprodutiva”, diz.

 

Com o emprego desta técnica, é possível manter um número de lactantes permanentes, obtendo assim a quantidade anual de leite desejada pelo produtor, fazer a escolha e seleção de animais com maior potencial leiteiro e formar um padrão genético apropriado para a estrutura da propriedade. Além disso, utilizar sêmen sexado pode aumentar o índice de nascimento de fêmeas no rebanho, produzindo assim futuras matrizes”, afirma.

 


Comente essa notícia.

Faça seu cadastro ou login gratuito para enviar comentários.