Açúcar cristal. Cana-de-açúcar.
DATA: 24/11/2015

Índia amplia subsídios para sustentar a produção de açúcar

Com novo incentivo, governo indiano estabelece metas de exportação e espera minimizar o problema de endividamento das usinas

A produção de açúcar na Índia passa por uma crise nos últimos anos, no entanto, a situação se agravou no primeiro semestre de 2015. As exportações recuaram na safra 2014/2015 e o estoque indiano subiu de 7,5 milhões de toneladas para 9,6 milhões de toneladas. “O aumento dos estoques foi responsável por derrubar os preços domésticos do açúcar para 21 mil rúpias (aproximadamente 318 dólares) por tonelada em julho”, diz o analista João Paulo Botelho, da consultoria INTL FCStone.

 

De acordo com um estudo realizado pela consultoria INTL FCStone, mesmo com o preço do açúcar em queda no mercado internacional, o valor mínimo deteminado pelo governo federal para a cana subiu 65,3% nas últimas cinco safras. Esse comportamento é reflexo dos interesses políticos do governo local, que determina o valor do produto com o objetivo de atender cerca de 50 milhões agricultores indianos que vivem da comercialização da cana.

 

Porém, a combinação de preço baixo no mercado internacional e valorização do preço da cana no mercado doméstico fez com que as usinas indianas acumulassem uma dívida de aproximadamente 901 milhões de dólares. Para minimizar esse problema, o governo criou um novo subsídio para a venda de cana às usinas, que passará a valer na próxima safra. “Para cada tonelada de cana o governo pagará 45 rúpias diretamente aos agricultores, valor que será debitado do preço que é pago pelas usinas”, explica Botelho. O estudo da INTL FCStone considera que 66 rúpias equivalem a um dólar. Dessa forma, o novo incentivo do poderá representar entre 6,2 dólares e 7,2 dólares por tonelada.

 

 

Governo estipula metas de exportação para garantir subsídios

Para que as usinas sejam beneficiadas com os incentivos propostos, é necessário que haja o embarque de 80% da cota definida pelo governo. “As autoridades esperam que o setor exporte pelo menos 3,2 milhões de toneladas nesta safra, mais do que o dobro das exportações líquidas da Índia na temporada passada”, diz Botelho. Embora possa ocorrer queda na produção, o subsídio deve estimular as exportações indianas, que podem aumentar até dois milhões de toneladas em relação à última safra.

 

Por enquanto, as informações apresentadas são baseadas em dados divulgados pelo próprio governo indiano. Ainda não é possível afirmar se existirão outras condições para que as usinas tenham direito ao subsidio. Também não se sabe se as empresas que não alcançarem as metas estipuladas sofrerão alguma punição.

 

 


Comente essa notícia.

Faça seu cadastro ou login gratuito para enviar comentários.

Leia mais