DATA: 01/10/2015

Grevistas protestam e dificultam acesso ao Porto de Santos

A manifestação é contra as demissões de 210 trabalhadores anunciadas pelo Terminal Ecoporto nesta semana

Um grupo de funcionários do Terminal Ecoporto, que fazem uma greve com duração de 24 horas, protesta nas proximidades do Porto de Santos, litoral paulista. A manifestação é contra as demissões de 210 trabalhadores, anunciadas pela empresa nos dois últimos dias.

Os manifestantes chegaram a bloquear, mais cedo, o acesso ao Porto. Por volta das 8h, o trânsito estava parcialmente liberado na Avenida Portuária. Segundo a concessionária Ecovias, o protesto provoca congestionamento na chegada à cidade, pela Rodovia Anchieta, entre os quilômetros 59 e 61.

Francisco Nogueira, presidente do Sindicato dos Empregados Terrestres em Transportes Aquaviários e Operadores Portuários do Estado de São Paulo (Settaport), disse que a Ecoporto vem demitindo funcionários desde janeiro. Para ele, o objetivo é cortar o efetivo em 50%. No total, a empresa tem 1,2 mil empregados.

“Isso não vai refletir só na economia do Porto, mas também na [economia da] região, no comércio, são mais de 500 pais de famílias. Essas demissões vão afetar muito a Baixada Santista”, declarou. Francisco estima que a adesão chega a 70% dos empregados. Ele reclama da maneira arbitrária como foram feitas as demissões: via telegrama.

“O sindicato propôs negociar qualquer tipo de acordo para evitar essas demissões, uma suspensão do contrato, uma readequação de turno ou até mesmo uma redução nos salários, para que a empresa ganhasse um pouco mais de tempo, conseguisse clientes novos e evitasse essas demissões. Em nenhum momento, a empresa sinalizou vontade de negociar nesse sentido”, disse ele.

Em nota, a Ecoporto Santos informa que, apesar do protesto organizado pelo Sindicato da categoria, as atividades estão transcorrendo normalmente, sem impactos nas operações, e que “não há greve de funcionários”.

A Ecoporto esclarece que avaliou todas as alternativas para evitar demissões “porém em função da redução de volume, que se deve ao aumento concorrencial do Porto de Santos,  precisou redimensionar o quadro de funcionários de operação portuária”.

A empresa conclui a nota, dizendo que está trabalhando para superar a necessidade de corte de funionários. “[A Ecoporto] vem, ao longo dos últimos anos, investindo na modernização do terminal. Acredita que esse cenário é reversível e envida esforços para superar essa fase”, diz.

Fernanda Cruz – Repórter da Agência Brasil


Comente essa notícia.

Faça seu cadastro ou login gratuito para enviar comentários.

Leia mais