DATA: 26/02/2016

Governo realiza estudo sobre a situação pluviométrica no Tocantins

As adversidades climáticas estão entre as maiores causadoras de queda na produtividade das lavouras, e esse efeito foi intensificado pela ação do El Niño

Com o objetivo principal de subsidiar o setor produtivo agrícola no processo de tomada de decisão para a sua propriedade rural, o Governo do Estado, por meio da Fundação Universidade do Tocantins (Unitins), em conjunto com a Secretaria de Estado do Desenvolvimento da Agricultura e Pecuária (Seagro), realiza estudo técnico com a análise da situação pluviométrica parcial no Estado do Tocantins, ocorrida durante o ano hidrológico de 2015/2016.

 

Este estudo técnico foi realizado pelo Núcleo Estadual de Meteorologia e Recursos Hídricos (Nemet/RH), da Unitins em parceria com a Seagro e faz parte do monitoramento de tempo e clima diário realizado pelo Nemet/RH e os dados utilizados estão disponíveis pela internet com domínio público, por meio das ferramentas dos órgãos oficiais de meteorologia no País. Além dos dados utilizados, este estudo também estará disponível no Portal da Agrometereologia da Seagro.

 

As adversidades climáticas estão entre as maiores causadoras de queda na produtividade das lavouras, e esse efeito foi intensificado pela ação do El Niño. O fenômeno, considerado um dos mais fortes dos últimos anos, continua atuando nas condições do clima no mundo todo, e no Tocantins, provocou um desequilíbrio no calendário das águas, que tem períodos de chuva bem definidos, acontecendo entre os meses de outubro e maio.

 

Setor agrícola

As expectativas dos produtores para a safra de grãos 2015/2016, são de queda na produção, uma vez que está sendo marcada pela escassez de chuvas, acarretando assim, uma série de eventos que terão impacto negativo na produção final.

 

Segundo o secretário do Desenvolvimento da Agricultura e Pecuária, Clemente Barros, o clima tem sido bastante irregular nas regiões produtores de grãos. “A escassez da chuva trouxe atraso no plantio, e em algumas propriedades, a necessidade de replantar áreas e diminuir de área.

 

E a situação continua desfavorável para o agricultor tocantinense, ainda não sabemos a dimensão exata da perda, pois este dado só será possível com o 6º levantamento da Safra de Grãos 2015/2016 da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), que deverá ser divulgado na próxima semana”, conta.

 


Comente essa notícia.

Faça seu cadastro ou login gratuito para enviar comentários.

Leia mais