Governo investe mais de R$ 62 milhões em cadeias produtivas no Maranhão

O Programa Mais Produção é parte das estratégias voltadas para o fortalecimento da produção agropecuária no Estado

Fortalecer as cadeias produtivas e garantir geração de emprego e renda. Esse é o objetivo do Programa Mais Produção, lançado no dia 4 de dezembro, pelo governador Flávio Dino, que também anunciou um investimento de R$ 62.146.244,74 no setor produtivo do Maranhão. O Mais Produção é parte das estratégias do Sistema Estadual de Produção e Abastecimento (Sepab), voltadas para o fortalecimento da produção agropecuária no Estado.

 

2112_mais_producao_governo_maranhao_dino
O programa foi lançado neste mês

O programa define 10 cadeias produtivas prioritárias (feijão, arroz, mandioca, carne e couro, ovinocaprinocultura, leite, avicultura – caipira e industrial, piscicultura, hortifruticultura e mel) a serem trabalhadas com foco no abastecimento do Estado e na busca pela autossuficiência. Seu objetivo é promover o adensamento de cada cadeia e dos arranjos produtivos locais em diferentes escalas, agregando valor aos produtos maranhenses, gerando mais riqueza, emprego e renda.

 

“Organizamos aqui o nosso Sistema Estadual de Produção e Abastecimento em torno de 10 cadeias produtivas prioritárias. Já temos investimentos programados em unidades de referência, que servirão de polos multiplicadores de boas práticas de assistência técnica, para que possamos gerar oportunidades de trabalho, melhorar a quantidade e a qualidade de alimentos disponíveis no nosso mercado”, diz o governador.

 

As 171 ações definidas para as cadeias produtivas serão executadas pelas secretarias componentes do SEPAB (Agricultura e Pecuária, Agricultura Familiar, Pesca e Aquicultura, Desenvolvimento Social, Indústria e Comércio e Trabalho e da Economia Solidária) e foram apresentadas pelo secretário de Agricultura e Pecuária, Márcio Honaiser. “O Mais Produção é um programa arrojado, que quer tornar o Maranhão um estado menos importador, onde a nossa produção e o nosso produtor são valorizados”, afirma Honaiser.

 

 

Deixe seu comentário