DATA: 08/12/2015

Governo da Bahia debate ações do programa de manejo do eucalipto

O Estado possui 671 mil hectares de área plantada, e estima-se que esse segmento emprega 323 mil trabalhadores

Parte das ações do Programa Fitossanitário de Controle da Lagarta Parda na Bahia, um conjunto de medidas de manejo dessa praga nas plantações de eucalipto no sul e extremo sul do Estado, foram tratadas pelo Secretário da Agricultura, Vitor Bonfim com a Comissão Técnica Regional (CTR), na quinta-feira (03/12).

 

A comissão, liderada pela Agência de Defesa Agropecuária da Bahia (Adab), vinculada à Seagri, já atua na execução desse plano com técnicos em campo. O controle biológico da Lagarta Parda está sendo feito através do inseticida à base de Bacillus thuringiensis, específico para lagartas, não oferecendo risco à saúde do homem e animais.

 

De acordo com o secretário Vitor Bonfim, a secretaria, em consonância com a Adab, está empenhada em apoiar os produtores, participando de forma intensiva no controle da lagarta, já que a silvicultura é uma atividade de extrema importância para a produção agrícola e economia do Estado. “Apesar de não atingir apenas o eucalipto, os danos estão sendo mais significativos nesta cadeia”, diz.

 

Mesmo em tempos de crise financeira, o setor de base florestal continua contribuindo com índice de crescimento acima de 5% no Estado. A Bahia possui 671 mil hectares de área plantada, e estima-se que esse segmento emprega 323 mil trabalhadores, sendo 40 mil diretamente e 182 mil de forma indireta.

 

Atualmente as lagartas desfolhadoras causam danos da dimensão de 50 mil hectares por ano no País, e apesar de existirem 10 espécies consideradas primárias, a lagarta parda Thyrinteina arnobia é a principal, com a maioria das ocorrências em campo.

 

As plantas hospedeiras são as araçás, assa-peixe, angico cangalha, cagaiteira, cacau, café, congonha dos sertões, ervamate, gabirobas, laranjeira, murici, pau-terra, tingui e eucalipto. As lagartas atacam plantios de eucalipto com um mês de idade até florestas com 23 anos.

 

Algumas das demandas levantadas na reunião de alinhamento das ações, pela Associação Baiana das Empresas de Base Florestal (Abaf), foram a intensificação do trabalho de fiscalização da Adab na retirada dos rebanhos em áreas de Áreas de Preservação Permanente (APPs) na região, e a intermediação da Seagri com as organizações responsáveis por conter as invasões de terras.

 

O Programa Fitossanitário de Controle da Lagarta Parda na Bahia foi lançado em outubro deste ano, no município de Teixeira de Freitas, pela Seagri, através de sua Agência de Defesa Agropecuária da Bahia (Adab), em parceria com a Associação Baiana das Empresas de Base Florestal (Abaf) e entidades parceiras.

 


Comente essa notícia.

Faça seu cadastro ou login gratuito para enviar comentários.