DATA: 29/09/2015

Fiesp e OCB lançam “sondagem de mercado do agricultor brasileiro”

Levantamento identifica o mix de financiamento utilizado pelo produtor, participação dos agentes financiadores e períodos de aquisição e recebimento de insumos

A Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) e a Organização de Cooperativas Brasileiras (OCB) lançam, nesta terça-feira (29/09), um novo produto que poderá auxiliar as indústrias e os produtores a entender melhor a dinâmica de mercado do setor e, consequentemente, aprimorar suas estratégias de negócios: a “Sondagem de Mercado do Agricultor Brasileiro”.

Em sua primeira divulgação, o levantamento entrevistou mais de 500 produtores em todas as regiões do Brasil para identificar quais são os principais agentes financiadores do custeio da produção agrícola em solo nacional. Também foi levantado qual o principal período de aquisição e recebimentos de insumos ao longo do ano.

Segundo o gerente do Departamento do Agronegócio da Fiesp, Antonio Carlos Costa, a ideia do projeto nasceu da necessidade de acompanhar mais de perto as possíveis modificações na dinâmica de financiamento da produção, comercialização e aumento/redução do pacote tecnológico. “Esse tipo de informação é de fundamental importância em um ambiente de incertezas, em que o cenário macroeconômico brasileiro está afetando o desempenho do setor”, completa Costa.

Realizada entre julho e agosto, a sondagem revelou que os produtores agrícolas se utilizam majoritariamente dos bancos públicos para financiar sua operação agrícola, com 62%, seguido das cooperativas, com 16%. Bancos privados e cooperativas de crédito são responsáveis por 13% cada. Já tradings, revendas e indústria de insumos foram citados por menos de 10% dos produtores, como mostram os gráficos abaixo.

Para o presidente do Sistema OCB, Márcio Lopes de Freitas, houve fortes avanços na contratação dos financiamentos de crédito rural suportados pelas cooperativas de crédito, com tickets médios que refletem a utilização dos recursos especialmente por pequenos e médios agricultores. “Atualmente, são mais de 4 mil pontos de atendimento em todo o Brasil que oferecem serviços de crédito rural”, conta.

Em relação à época de compra e recebimento de insumos, a Sondagem de Mercado mostrou que queda significativa na aquisição destes produtos durante o primeiro semestre de 2015, em comparação com o mesmo período do ano anterior. Escassez do crédito pré-custeio, atraso na comercialização do grão e a espera do novo Plano Safra, fizeram com que o produtor postergasse a decisão de compra.


Comente essa notícia.

Faça seu cadastro ou login gratuito para enviar comentários.

Leia mais