mosaic fertilizantes - Fertilizantes - fertilizante - adubação - farming brasil - fertilizante organomineral. Yara Fertilizantes. - Ajinomoto

Fertilizantes para a soja: 3 mitos e verdades sobre aplicação de fósforo e cálcio

Desde a extração nas minas até a absorção pelas plantas, entenda como ocorrem várias reações e transformações nas formas do fósforo

Planejar a aplicação de fertilizantes corretamente é essencial para garantir uma colheita farta nas lavouras. O produtor deve investir em planejamento nutricional de forma adequada para elevar a produtividade da soja. Dentre os principais elementos necessários estão o fósforo e o cálcio, com origem predominantemente de rochas fosfáticas de origem vulcânica, em maior parte a fluorapatita. A correta aplicação desses nutrientes faz a diferença nos resultados da plantação.

 

De acordo com informações da fabricante de fertilizantes Yara, desde a extração nas minas até a absorção pelas plantas, ocorrem várias reações e transformações nas formas do fósforo. Com isso, têm surgido muitas dúvidas, especulações e mitos acerca das tecnologias empregadas nos fertilizantes nacionais. Os especialistas Agronômicos da Yara, Diego Guterres e João Maçãs esclarecem os três principais:

 

1 – Estão disponíveis na natureza?

Na sua forma natural, nas rochas brasileiras, esses nutrientes estão indisponíveis às plantas

É verdade: Na condição natural da rocha, o fósforo está na forma de fosfato tricálcico, a qual as plantas não conseguem absorver (elas absorvem o P como dihidrogenofosfato – H2PO4-).

 

Para aumentar a eficiência agronômica dos fosfatos, a indústria realiza o processo de acidulação, solubilizando a rocha fosfática moída com ácido sulfúrico (rota sulfúrica de acidulação), o que resulta em superfosfato simples e sulfato de cálcio.

 

O superfosfato simples possui fósforo, cálcio e enxofre. Também pode-se atacar a rocha fosfática com ácido fosfórico, originando o superfosfato triplo (Lopes, A. S. et al., 2016). “Esses dois produtos passam por diversos processos até serem granulados e utilizados puros ou em misturas com outras matérias-primas como fertilizantes na agricultura”, explica João Maçãs, especialista em Portifólio de Produtos da Yara.

 

Ele também diz que, a exemplo disso, existe a rota de acidulação nítrica, muito utilizada pela Yara na Europa na produção de nitrofosfatos, conhecidos mundialmente como YaraMila com altos teores de nitrogênio nítrico e amoniacal.

 

2 – Deficiência de fertilizantes?

Fertilizantes com fósforo e cálcio e se tornarem indisponíveis às plantas, criando uma deficiência desses nutrientes.

É mito: as formas de fósforo são influenciadas pelo pH da solução. Em solos ácidos, como a maioria dos solos tropicais brasileiros, o fósforo é fixado por ferro e alumínio. No outro extremo, em situações de pH acima de 7, o fósforo torna a sofrer um processo chamado “retrogradação”, no qual ele reage com cálcio (do fertilizante ou do solo) e retorna à condição de fosfato tricálcico, tornando-se indisponível às plantas.

 

Aqui, então, surge o mito de que em fertilizantes com P e Ca, esses elementos reagem e se tornam indisponíveis às plantas. Ora, em solos alcalinos (pH acima de 6,5), como os de clima temperado, essa reação pode acontecer. Mas não é a realidade dos solos brasileiros onde se cultiva soja.

 

“Além da acidez dos nossos solos, os fertilizantes fosfatados acidulados possuem reação ácida, inviabilizando a possibilidade dessa reação ocorrer. Ademais, se isso fosse fato, a eficiência agronômica dos superfosfatos seria muito baixa e essas fontes não seriam empregadas na agricultura”, esclarece Diego Guterres, especialista Agronômico da Yara.

 

3 – Corretivos de acidez

Misturar corretivos de acidez no adubo pode indisponibilizar o fósforo e o cálcio para as plantas.

É verdade: segundo os especialistas da Yara, sim, essa prática é uma maneira bem provável de indisponibilizar o P e o Ca nas plantas. Se o corretivo for altamente reativo e se for utilizado em dose excessiva, pode elevar o pH junto aos grânulos do fertilizante, levando à indisponibilização do P.

 

No entanto, os especialistas afirmam que o recomendado pela pesquisa agronômica é trabalhar a correção da acidez do solo de forma plena através de calagem criteriosa.

 

Conheça a revista Farming Brasil!

Farming Brasil. Ano 1, edição 3.
Farming Brasil. Ano 1, edição 3.

A terceira edição da revista Farming Brasil tem reportagem de capa sobre a plantabilidade da soja, com um dossiê completo para avaliar o solo, regular as plantadeiras, capacitar o operador da máquina e plantar com qualidade.

A revista conta também com um robusto especial sobre pecuária. A terceira edição apresenta tecnologias para as máquinas agrícolas, como os pneus radiais e as esteiras de borracha para colheitadeiras de grãos, sistemas de irrigação, tecnologia de aplicação de fertilizantes a taxa variável, energia solar e muito mais! Para adquirir a revista (R$ 14,90 + frete de R$ 6,50), clique aqui para enviar o seu pedido.

 

Cadastre-se para receber notícias gratuitamente da Farming Brasil por e-mail: sfagro.com.br/cadastro

Qual é a sua dúvida agronômica? Para pedir uma reportagem ao site SF Agro, clique aqui e envie uma mensagem para a equipe de jornalistas.

 

Leia mais