Frango.

Famato orienta produtores para prevenir a influenza aviária

O que preocupa os órgãos de defesa brasileiros são as aves migratórias que vêm do continente norte-americano

Recentemente, diversos países como Estados Unidos, China, Canadá, entre outros, vivenciaram um surto de influenza aviária (IA) que ocasionou problemas socioeconômicos e prejuízos de bilhões de dólares. Só nos Estados Unidos, o prejuízo foi de 1,3 bilhão de dólares com mais de 48 milhões de aves afetadas pela doença.

 

Para alertar sobre as consequências econômicas que o Brasil pode sofrer em caso de contaminação pelo vírus IA, a Federação da Agricultura e Pecuária de Mato Grosso (Famato) divulgou comunicado com medidas de biosseguridade. “Quando o vírus é confirmado em uma criação, todas as aves são abatidas para evitar propagação. E esse abatimento ocasiona prejuízos financeiros imensuráveis”, diz o analista de pecuária da Famato Marcos de Carvalho.

 

As principais formas de contágio das aves e dos seres humanos é o contato direto com secreções de aves infectadas, fezes, vetores mecânicos (veículos, materiais e equipamentos), roupas e calçados contaminadas. O que preocupa os órgãos de defesa brasileiros são as aves migratórias que vêm do continente norte-americano nessa época do ano. Em Mato Grosso, existem dois sítios, sendo um no Pantanal e outro no Araguaia, onde essas aves pousam.

 

Segundo Carvalho, no Brasil existe uma Instrução Normativa publicada pelo do Ministério da Agricultura com medidas de biosseguridade, porém ainda existem avicultores que não estão em conformidade, especialmente as instalações menores e mais antigas que não possuem estruturas adequadas com telas de proteção. “Barracões inadequados facilitam o acesso de aves silvestres à produção”, afirma.

 

Em Mato Grosso, no caso de propriedades que possuem aves vivendo soltas, o produtor deve procurar uma unidade do Indea-MT mais próxima e efetuar as atualizações necessárias, podendo informar a quantidade de aves na comunicação da vacinação da febre aftosa.

 

Deixe seu comentário