Grãos de soja.

Pesquisa revela que soja pode matar células de câncer de mama

Estudo inédito de pesquisadores da Universidade de São Paulo testou extrato de soja biotransformado com duas linhagens de células cancerosas

A soja é uma leguminosa importante para vários segmentos. É matéria-prima para a produção de óleo de soja, com amplo uso na culinária brasileira, é usada na composição de ração para aves, suínos e bovinos e serve para fabricar muitos alimentos derivados. A soja é um ingrediente coringa. Isso explica porque essa oleaginosa é tão valorizada, com uma produção estimada em 101,2 milhões de toneladas na safra brasileira 2015/2016. Além disso, a novidade é que a soja também está protagonizando pesquisas na área médica.

 

Um estudo inédito descobriu a eficiência da soja no tratamento contra o câncer de mama. A pesquisa, realizada por especialistas da Faculdade de Ciências Farmacêuticas de Ribeirão Preto (FCFRP) da Universidade de São Paulo (USP), analisou que um extrato de soja biotransformado pode destruir células de tumores de mama. O produto vem sendo estudado pela equipe brasileira há mais de duas décadas. Os resultados foram publicados na revista inglesa Nutrition and Cancer e divulgados no Brasil pela Agência USP de Notícias.

 

Extrato de soja é capaz de matar célula cancerosa

Segundo pesquisadoras responsáveis pelo projeto, o extrato de soja analisado foi fabricado nos laboratórios da faculdade brasileira e testado em células com dois tipos de câncer de mama. A pesquisadora Bia Stocco, que faz parte da equipe coordenada pela professora Maria Regina Torqueti Toloi, conta que foi realizado um ensaio de 24 horas no qual as duas linhagens de células responderam ao tratamento, mas a linhagem MCF-7 (dependente de estrógeno) foi mais sensível, com resultados mais positivos.

 

Segundo as pesquisadoras, a interação das moléculas presentes no extrato de soja biotransformado com os receptores de estrógeno presentes nas células MCF-7 pode ser um dos motivos que explique a maior sensibilidade desta linhagem à morte celular. Mas elas acreditam que a outra linhagem, a SKBR-3, também possa apresentar os mesmo resultados se passar por um tratamento mais longo com o extrato de soja biotransformado.

 

A pesquisa foi realizada com extrato de soja biotransformado, extrato de soja sem biotransformação e isoflavonas da soja. Porém, somente o biotransformado apresentou resultados significantes. “O extrato de soja biotransformado promoveu a morte celular”, afirma a professora Maria Regina.

 

A nova etapa do estudo deve analisar qual componente do extrato é o responsável pela morte das células. Até o momento, as pesquisadoras acreditam que peptídeos gerados no processo de biotransformação da soja causam a morte celular. A equipe de pesquisadores já iniciou um novo estudo para relacionar o uso do extrato de soja com células normais e outras linhagens de células de câncer de mama mais agressivos.

 

O interesse pela soja

O interesse pela pesquisa com soja começou após a comunidade cientifica observar que uma alimentação rica em soja poderia estar relacionada com o fato de que mulheres asiáticas não tinham a mesma predisposição ao câncer de mama como as ocidentais, segundo a professora Maria Regina.

 

A responsável pelo extrato de soja biotransformado usado nas pesquisas é outra professora, Maria José Vieira Fonseca, também da FCFRP, que estuda o pó do grão de soja há mais de 10 anos. Desde que os benefícios da soja se confirmaram, também já foram realizados testes voltados ao combate do câncer de pele. Nesse caso, foram estudadas formulações com esses isoflavonoides de soja, com teste de ação contra os raios solares, fotoenvelhecimento e o câncer de pele no laboratório, mas não renderam os resultados esperados. “Os resultados iniciais mostraram que o extrato de soja não tinha alta atividade antioxidante necessária contra o estresse oxidativo da radiação solar”, explica Maria José.

 

Leia também: 

As exportações de soja podem registrar recorde este ano

Maior oferta e desvalorização do dólar pressionam os preços da soja

Relatório aponta clima como maior responsável por baixa produção de soja

 

Deixe seu comentário