DATA: 24/08/2015

Exportação de soja por Paranaguá aumenta 35% em julho

Movimentação de contêineres no porto cresceu 14% em comparação com o mesmo mês de 2014

O Porto de Paranaguá exportou 833 mil toneladas de soja no mês de julho. O resultado significa um aumento de 35% nos embarques do grão, ante 654 mil toneladas exportadas em julho de 2014 por Paranaguá. O dólar valorizado é um dos principais motivos que explicam o aumento das exportações brasileiras. Os congelados também registraram aumento, de 35%, e os derivados de petróleo aumentaram 50%.

 

Os três produtos puxaram a elevação nas exportações pelo Porto Paranaense em julho. No total, foram embarcadas 2,91 milhões de toneladas, volume 2% maior que no mesmo do ano passado, com 2,85 milhões de toneladas.

 

O câmbio favorável compensou a baixa cotação da soja no mercado internacional e estimulou a exportação. O diretor-presidente da Administração dos Portos de Paranaguá e Antonina (Appa), Luiz Henrique Dividino, afirma que a alta produtividade do Corredor de Exportação, que opera desde março com dois novos shiploaders, é fundamental para dar vazão à produção agrícola.

 

Em julho, foram exportadas 189 mil toneladas de congelados, enquanto que no mesmo mês de 2014 foram movimentadas 131 mil toneladas. Foi registrado, também, aumento de 17% no acumulado do ano.

 

Já os embarques de derivados de petróleo somaram 131 mil toneladas em julho deste ano, contra 87 mil toneladas em julho de 2014. No ano, o produto registra aumento de 29% nas exportações. Este resultado também foi o responsável pelo aumento nas movimentações totais de graneis líquidos, que fecharam julho em alta de 14%.

 

A movimentação total de contêineres pelo Porto de Paranaguá também cresceu em relação a julho de 2014, com alta de 14%. Foram movimentados 76,4 mil TEUs (unidade de medida equivalente a contêineres de 20 pés) em julho de 2015, um recorde histórico. Na importação, a alta foi de 20%, com 39,1 mil TEUs, e na exportação o crescimento foi de 8%, com 37,2 mil TEUs.


Comente essa notícia.

Faça seu cadastro ou login gratuito para enviar comentários.

Leia mais