Esalq lança o livro Fisiologia de Sementes de Plantas Cultivadas

A obra torna mais acessível um conjunto de informações sobre aspectos dos processos vitais da semente e de fatores que afetam seu desempenho

Com a expectativa de oferecer à comunidade cientifica do setor de sementes uma obra referência, o professor do Departamento de Produção Vegetal, da Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz” (USP/Esalq), Júlio Marcos Filho, lançou a segunda edição do livro “Fisiologia de Sementes de Plantas Cultivadas”.

 

2212_livro_fisiologia_de_sementes_de_plantas_cultivadas
Lançamento do livro

A obra torna mais acessível um conjunto de informações sobre aspectos dos processos vitais da semente e de fatores que afetam seu desempenho, e teve o pré-lançamento no IV Curso de Fisiologia de Sementes, promovido pela ABRATES em Londrina (PR), no mês de maio, e lançamento oficial em setembro, durante o 19º Congresso Brasileiro de Sementes, em Foz do Iguaçu (PR).

 

A segunda edição contém 660 páginas, com 30% a mais de informações do que a primeira. Os fundamentos para a redação do livro foram constituídos a partir das anotações efetuadas durante o preparo de aulas de graduação e pós-graduação, aliadas ao levantamento bibliográfico e à experiência acumulada no decorrer das atividades profissionais do autor.

 

“A publicação é um reconhecimento à Abrates pelo que tem feito pela área de sementes no Brasil e uma tentativa de incentivar outros autores a produzirem textos sobre os mais variados aspectos da tecnologia de sementes”, diz Júlio Marcos.

 

A obra é destinada aos docentes, pesquisadores, estudantes dos cursos de graduação, pós-graduação e profissionais da iniciativa privada que atuam nas áreas de produção, processamento e avaliação da qualidade das sementes de plantas cultivadas. A nova edição também será oferecida em inglês, com tradução de Lloyd Friedrich e revisão do Prof. Miller McDonald, da Ohio State University; e em espanhol, traduzida por Daniel Ricardo Souza Gomez, pesquisador da área de Entomologia da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária.

 

Deixe seu comentário

Leia mais