DATA: 29/02/2016

Embrapa seleciona empresas para a produção de alho-semente Amarante

O alho Amarante é livre de vírus e dispensa a vernalização

O mês de março chega com uma boa perspectiva para a cadeia produtiva de alho, traduzida pelo anúncio da abertura, em 23 de fevereiro, do Edital de Oferta Pública nº 04/2016, coordenado pela Embrapa Produtos e Mercado (Brasília, DF), relativo ao licenciamento de empresas interessadas em produzir alho-semente da cultivar Amarante.

 

Assim como a cultivar Hozan, lançada em 2013, o alho Amarante também é livre de vírus e igualmente dispensa a vernalização, quando os bulbos são acondicionados em câmara fria por 50 dias antes do plantio, condição exigida pelo alho nobre para ser plantado em regiões de clima mais quente.

 

De acordo com a analista Lenita Haber, da área de Transferência de Tecnologia da Embrapa Hortaliças (Brasília, DF), que vem alinhando o plano de marketing relacionado às estratégias de divulgação da cultivar, serão ofertados dois lotes de 100 quilos de alho-semente livre de vírus Amarante aos interessados – pessoa física ou jurídica – que apresentem laudo emitido por empresas certificadoras, credenciadas pelo Ministério da Agricultura (Mapa).

 

“A apresentação do laudo de certificação, que comprova as condições adequadas da área para produção de alho-semente, e que incluem a questão fitossanitária, representa a principal condicionante para a participação no processo”, conta Lenita. Segundo ela, para emissão do laudo, que vale a inscrição no Registro Nacional de Sementes e Mudas – Renasem, coordenado pelo Mapa, os campos de multiplicação de alho-semente deverão se adequar às condições prescritas pela Embrapa Hortaliças, a exemplo do uso de telado antiafídeo para proteção contra pulgões (insetos sugadores da seiva das plantas) e transmissores de vírus.

 

Características da variedade

Além da ausência de viroses e de prescindir de vernalização, o alho Amarante apresenta sabor e pungência mais acentuados se comparados com outras variedades de alho, incluindo os materiais importados.

 

Com relação à produtividade, a cultivar foi submetida a testes de validação em Minas Gerais, com destaque para o município de Bueno Brandão, que ficou à frente no índice de produção – 20 toneladas por hectare, bem superior à média de 11 a 12 toneladas por hectare, apresentada em outras localidades.

 

O aspecto visual também constitui um diferencial ante outros materiais, como o menor número e maior tamanho de bulbilhos (ou dentes) por cabeça, características que, na opinião da analista, “devem chamar a atenção tanto do pequeno como do grande produtor”.

 


Comente essa notícia.

Faça seu cadastro ou login gratuito para enviar comentários.