Embrapa apresenta serviço de conservação de raças comerciais

Espaço conta com botijões de nitrogênio líquido a 196ºC abaixo de zero, com capacidade para 270 mil doses de sêmen

A Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia vai apresentar ao público do Tecnoshow Comigo 2016 um serviço inédito no país: a conservação de raças comerciais de interesse zootécnico no Banco Genético da Embrapa, em Brasília, DF. O espaço conta com sala voltada exclusivamente à manutenção de três criobancos (botijões de nitrogênio líquido a 196ºC abaixo de zero), com capacidade para armazenar 270 mil doses de sêmen, com total segurança e sem custos para os pecuaristas.

 

Os interessados podem procurar o estande da Embrapa no evento, que acontece no período de 11 a 15 de abril, em Rio Verde, GO. Lá estarão pesquisadores e técnicos da Empresa preparados para explicar o funcionamento do novo serviço e mostrar como serão os Acordos de Depósito de Segurança Padrão, a serem assinados entre os criadores e a Embrapa. Esse documento garante aos produtores, associações ou cooperativas a conservação do material genético em condições adequadas e sem manipulação pelo tempo que considerarem necessário.

 

Nova estrutura do Banco Genético da Embrapa garante a segurança da conservação

A possibilidade de estender aos produtores a conservação das raças comerciais no Banco Genético da Embrapa é um dos benefícios proporcionados pela nova estrutura do Banco Genético da Embrapa, inaugurada em 2014. O novo prédio possui uma fábrica própria de nitrogênio líquido, o que o torna autossuficiente, apto a produzir aproximadamente 100 litros por dia. Por isso, o serviço pode ser oferecido sem custos para os produtores.

 

Os botijões de nitrogênio líquido dispõem de tecnologia de ponta para conservação do material genético. Antes de ser depositado nos botijões, o sêmen é acondicionado em um moderno sistema desenvolvido na França, composto por canister, goblet e visotube, em distintas cores, o que além de aumentar a segurança do material armazenado, facilita a localização das amostras no botijão, pela hierarquização que o sistema permite.

 

Iniciativa vai contribuir para conservar a história da pecuária brasileira

Segundo o pesquisador da Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia Arthur Mariante, que estará presente no estande da Empresa durante o Tecnoshow Comigo, essa é a primeira vez que a Embrapa oferece aos produtores dessa região a oportunidade de conservar material genético de raças comerciais em seu Banco Genético. “O objetivo é auxiliá-los na preservação das linhagens que deram origem aos seus rebanhos atuais”, explica. Dessa forma, a Embrapa e os produtores estarão contribuindo para resgatar e conservar a história da pecuária no Brasil.

 

Os animais mais produtivos utilizados hoje na pecuária nacional são resultados de trabalhos desenvolvidos pelos criadores, muitas vezes associados a pesquisadores com base em análises genéticas, sempre com foco no aumento da produtividade. Neste longo processo de seleção, muitas linhagens são descartadas pelos criadores. O serviço que a Embrapa está oferecendo permite conservar as linhagens que não estão sendo utilizadas, mas que poderão ser importantes para futuros programas de melhoramento genético. “Muitas vezes, essas linhagens possuem genes ligados a características importantes como resistência a doenças ou resistência a estresses climáticos, entre outras, que podem ter sido perdidas nas gerações atuais da mesma raça”, afirma Mariante, lembrando que a manutenção desse material genético sai caro para os pecuaristas por causa do alto custo do nitrogênio líquido.

 

O pesquisador lembra que nos Estados Unidos a ABS, que é a maior central de inseminação artificial de bovinos do mundo, doou ao Banco Genético do Departamento de Agricultura Americano (USDA, sigla em inglês), em Fort Collins, Colorado, milhares de doses de sêmen, que haviam sido coletadas na década e que não estavam mais sendo utilizadas. Além de isento de custo, o serviço oferecido conta com a segurança e a expertise alcançadas pela Embrapa ao longo de mais de três décadas voltadas à conservação de recursos genéticos animais no Brasil.

 

Conservação animal é prioridade desde a década de 80

A Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia investe na conservação de recursos genéticos animais desde a década de 80. O interesse principal é preservar raças de animais domésticos de interesse para a pecuária conhecidas como localmente adaptadas, pois se desenvolveram no Brasil a partir de animais trazidos pelos colonizadores logo após o descobrimento. São, portanto, verdadeiros tesouros genéticos, pois possuem características de rusticidade e adaptação, adquiridas ao longo dos séculos, com grande potencial de uso em programas de melhoramento genético, a partir de cruzamentos com raças mais produtivas.

 

A “Arca de Noé” da Embrapa abriga, principalmente, raças ameaçadas de extinção, pois foram sendo substituídas por outras mais produtivas ao longo dos séculos. Os bovinos, equinos, caprinos, suínos, ovinos, asininos e bubalinos são conservados em núcleos de conservação distribuídos por todo o território nacional, muitas vezes em parceria com associações de criadores, universidades e outras instituições de pesquisa.

 

Como já mencionado, a conservação é feita também sob a forma de sêmen e embriões congelados em criobancos. O Banco Genético da Embrapa conta hoje com cerca de 85 mil amostras de sêmen e 450 embriões. O material genético de raças comerciais, que será incorporado ao Banco, poderá ser útil também para estudos e pesquisas futuras de cientistas e estudantes de pós-graduação, a partir da comparação entre linhagens antigas e atuais. Mais informações sobre o serviço de conservação de raças comerciais de interesse zootécnico estarão disponíveis no estande da Embrapa no Tecnoshow Comigo 2016, que acontece em Rio Verde, GO, no período de 11 a 15 de abril de 2016.

 

 

Deixe seu comentário

Leia mais