DATA: 14/01/2016

Emater incentiva a construção de silos de alvenaria no Rio Grande do Sul

Na região de Santa Rosa, há cerca de 120 silos de alvenaria construídos em 85 propriedades de mais de 20 municípios

O produtor Vítor Carpenedo, da comunidade de São Roque, em Tuparendi (RS), promoveu um Dia de Campo no dia 9 de janeiro. A fazenda recebeu técnicos e agricultores que foram conferir a consolidação do sistema de secagem e armazenagem de grãos na propriedade, que tem como base o uso do ar ambiente.

 

Segundo Carpenedo, a ideia é aproveitar a estrutura para 8.500 sacas, prioritariamente para a armazenagem e secagem de milho. “A armazenagem adequada deste grão é essencial para manter a qualidade e agregar valor ao produto”, diz ele. Além da secagem e armazenagem de milho, a estrutura deve ser aproveitada para outros tipos de grãos, como soja e trigo. A decisão de implantar silos de alvenaria em sua propriedade surgiu a partir de visita realizada em conjunto com a Emater/RS-Ascar, em 2004, a propriedades que possuíam armazenagem e secagem, no município de Nova Bassano.

 

Até o momento, na região administrativa de Santa Rosa, existem em torno de 120 silos de alvenaria construídos em aproximadamente 85 propriedades de mais de 20 municípios. Apenas em Tuparendi são 40 estruturas, em 21 propriedades, sendo que este número deve aumentar neste ano.

 

A construção do silos

A proposta começou a sair do papel em 2014, com projeto elaborado pela Emater/RS-Ascar e financiado pelo Sicredi. Após um ano de trabalho e organização da estrutura, passaram a funcionar dois silos secadores com ar natural e dois silos armazenadores de grãos. Também foi construída uma moega que possui capacidade para 790 sacas. As edificações possuem fácil manejo e a limpeza da estrutura é facilitada por uma abertura lateral.

 

Segundo o assistente técnico regional da Emater/RS-Ascar, na área de Manejo de Recursos Naturais, Fernando Dornelles Fagundes, a Instituição procura incentivar a troca de experiências entre produtores para que possam avaliar a viabilidade e o interesse de realizar a secagem e armazenagem de grãos na propriedade, conquistando assim, maior autonomia. “Também é uma oportunidade de evitar perdas, manter a conservação e a qualidade do produto, garantir diferencial nos preços na safra e entressafra e diminuição da dependência externa”, diz.

 

Benefícios da estrutura própria

Com a construção de silos na propriedade é possível ainda conservar sementes para o plantio na safra seguinte, contribuir na alimentação da família, de forma direta ou indireta, além de possibilitar a comercialização de excedentes a preços mais elevados quando comparados aos do mercado balcão.

 

Os produtores interessados em adotar a tecnologia devem procurar orientações de um técnico, para que possa ser dimensionado de acordo com a necessidade da propriedade, levando em conta a pressão e vazão do ventilador, umidade relativa do ar, umidade do grão, temperatura do ar, temperatura do grão, e limpeza do produto.

 


Comente essa notícia.

Faça seu cadastro ou login gratuito para enviar comentários.

Leia mais