Gado nelore

Distância genética entre raças bovinas e caprinas pode melhor a produção

Durante a pesquisa foram feitas genotipagem em populações distintas de bovinos dos grupos nelore, gir, caracu e curraleiro pé-duro

Os cientistas da Embrapa e do National Center for Genetic Resources Preservation do Agricultural Research Service (ARS), dos Estados Unidos, confirmaram, em estudo com bovinos e caprinos, que a distância e a variabilidade genética entre raças podem incrementar a produção animal. Segundo material da Embrapa, a senha para o sucesso está no aperfeiçoamento dos programas de melhoramento genético.

 

O fenômeno natural da heterose ou vigor híbrido mostrou, de acordo com a pesquisa, que quanto maior é a distância genética entre as raças, melhor é a qualidade dos animais obtidos em cruzamentos. Já os animais com muita proximidade sanguínea têm desempenho inferior em relação ao peso da carcaça, produção de leite, resistência às doenças e às adversidades do meio ambiente.

 

Variabilidade genética entre os bovinos

Entre os bovinos, a pesquisa confirmou que distância e variabilidade genética são maiores entre as raças Curraleiro Pé-Duro e Nelore. O estudo revelou também que o curraleiro pé-duro foi o que ficou mais próximo da raça Caracu, seguido das norte-americanas e das de origem francesa. Três fatores naturais, segundo o pesquisador Geraldo Magela Côrtes Carvalho, da Embrapa Meio-Norte (PI), que representou o Brasil no estudo, atuam para ampliar a variabilidade genética: a mutação, a deriva genética e a migração.

 

Carvalho explica que as mutações, também chamadas de deriva genética, podem ocorrer quando duas populações são separadas por um longo período de tempo e contribuem para a diversidade dentro das raças. De acordo com o especialista, o isolamento de populações é consequência do uso local e do manejo da raça e reduz o tamanho efetivo do rebanho. “O grau de diferenciação entre as raças estudadas revelou baixo fluxo de genes entre as populações brasileiras analisadas, o que indica isolamento reprodutivo, diferente do encontrado nas raças norte-americanas, que apresentaram pouca diferenciação entre os bovinos de corte”, diz

 

Ele garante que a distância e a variabilidade genética são fatores determinantes para a boa qualidade de um rebanho. A pesquisa revelou também que a variabilidade é maior entre os indivíduos do que entre as raças. Entre os indivíduos, a variabilidade chega a 75%. Entre as raças, principalmente as norte-americanas para corte, não passa de 25%.

 

O trabalho, conduzido por dois anos na sede do ARS, em Fort Collins, no Colorado, usou 19 raças bovinas: quatro brasileiras e 15 norte-americanas. Para chegar a esse resultado, os cientistas fizeram genotipagem em populações distintas de bovinos dos grupamentos nelore, gir (Bos indicus) caracu e curraleiro pé-duro (Bos taurus), todos brasileiros. As raças norte-americanas estudadas são de origem espanhola, francesa, britânica e da remota Ilha Chirikof, no Alasca.

 

Foi usado um painel de 34 microssatélites recomendado pela Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO) e pela Sociedade Internacional de Genética Animal (Isag). Os pesquisadores Geraldo Magela Côrtes Carvalho, da Embrapa, e o norte-americano Harvey Blackburn, do ARS, trabalharam com nove programas de computador na estatística molecular.

 

Diversidade genética entre os caprinos

Entre os caprinos, foram estudadas as raças Nambi, Marota, Azul, Anglonubiana e Boer, criadas no Brasil; e as norte-americanas Spanish, Mioton, La Mancha, Angora e também a Boer, que revelaram ampla diversidade genética. As análises mostraram proximidade entre os grupamentos Nambi e Spanish. Os resultados também comprovaram a capacidade de se produzir caprinos em vários ambientes, indicando, segundo o pesquisador da Embrapa, que o conceito de raça para produção de carne caprina não é tão relevante como em outras espécies. Ou seja, todas as raças caprinas localmente adaptadas produzem carne em quantidade e qualidade semelhantes.

 

Leia mais:

Previsão do tempo: não vai parar de chover no Centro-Oeste

La Niña perde força e neutralidade climática deve beneficiar a safrinha

Empregos no campo: saiba como conquistar a vaga dos seus sonhos em 2017

Jardim rentável: agricultor lucra R$ 80 mil com mudas de plantas exóticas

Javali: controle do animal deve ser regularizado no Rio Grande do Sul

Agronegócio: 8 cursos para melhorar o currículo em 2017

Pecuária inteligente: abate em até dois anos com a tecnologia Boi 7.7.7

Piscicultura: tecnologia com bioflocos permite reúso de água por três anos

O sonho da pulverização de precisão se tornou realidade

 

Cadastre-se para receber notícias gratuitamente por e-mail: sfagro.com.br/cadastro

Qual é a sua dúvida agronômica? Para pedir uma reportagem, clique aqui e envie uma mensagem para a redação da Successful Farming Brasil.

Deixe seu comentário

Leia mais