DATA: 29/02/2016

Instituto Agronômico treina profissionais que analisam fertilizantes

Serão quatro cursos com conteúdo teórico e prático nos métodos oficiais de análise do Ministério de Agricultura

Com o objetivo de contribuir com o treinamento de profissionais ligados a laboratórios de análises e a empresas fabricantes de fertilizantes, a Secretaria de Agricultura e Abastecimento, por meio do Instituto Agronômico (IAC), de Campinas, irá realizar nos dias 2 e 3 de março de 2016, em Campinas, o curso Métodos Oficiais de Análise de Fertilizantes e Corretivos: teoria e prática.

 

Neste primeiro semestre de 2016, serão quatro cursos com conteúdo teórico e prático nos métodos oficiais de análise do Ministério de Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa).  Os próximos três cursos serão realizados em 29 de março, 12 e 26 abril e 10 de maio de 2016. Os períodos de inscrição serão até 22 de março, 5 de abril e 3 de maio, respectivamente (confira mais informações abaixo).

 

A parte prática do treinamento é desenvolvida no Laboratório de Análise Química de Fertilizantes e Resíduos do IAC — o único no Brasil acreditado pelo Inmetro e credenciado pelo MAPA para fazer análises com a finalidade de fiscalizar a qualidade dos fertilizantes. Neste caso, as amostras são coletadas por fiscais federais nas empresas. “No último dia 16 de fevereiro, recebemos confirmação do Inmetro e estamos acreditados para todas as análises fiscais realizadas nos fertilizantes minerais”, afirma a pesquisadora e coordenadora do Laboratório, Aline Renée Coscione.

 

Os resultados das análises confirmam a garantia informada pelo fabricante nos rótulos dos produtos, envolvendo a qualidade dos fertilizantes e a quantidade a ser aplicada. Assim essas análises podem beneficiar todas as culturas agrícolas. A eficácia do diagnóstico proporciona economia de recursos naturais e redução de gastos no campo, pois os adubos representam o maior custo no processo de produção.

 

“O controle da qualidade de fertilizantes e corretivos é importante para que o agricultor possa estar seguro de que as quantidades aplicadas desses insumos irão suprir as necessidades das plantas para os nutrientes presentes no fertilizante ou que o corretivo vai produzir o efeito desejado quando aplicado ao solo”, explica. Aline explica que nitrogênio, fósforo e potássio (NPK) são os nutrientes mais importantes e presentes em 99% das formulações de adubos.

 

De acordo com a pesquisadora, a análise química de qualquer material aplicado ao solo agrícola implica na preservação da produtividade do solo, sem causar riscos ao ambiente. Essas análises alertam para a presença de contaminantes que podem se acumular no solo e entrar na cadeia alimentar, provocando efeitos indesejáveis em animais e seres humanos, além de contribuir para poupar recursos naturais.

 

“A adubação mineral é imprescindível para uma agricultura com alta produtividade, para uma população crescente e carente de alimentos; é nossa função contribuir nesse cenário, como determina o governador Geraldo Alckmin”, afirma o secretário de Agricultura, Arnaldo Jardim.

 

Laboratório do IAC apresenta avanços constantes e aumenta escopo de análises acreditadas pelo Inmetro

Cerca de três mil análises de fertilizantes e de resíduos são feitas, por ano, no Laboratório de Análise Química de Fertilizantes e de Resíduos do Instituto Agronômico, em, Campinas. Criado em 2005, o Laboratório vem apresentando avanços constantes na qualidade de sua estrutura e na credibilidade dos serviços prestados. Desde 2008, está acreditado pelo Inmetro na norma 17025 para análises de resíduos com potencial de uso agrícola. Em 2011, o Laboratório do IAC foi credenciado pelo MAPA para analisar amostras de fertilizantes para fins de fiscalização. A partir de dezembro de 2015, obteve acreditação também para análise de fertilizantes minerais pelos métodos oficiais da Instrução Normativa 03, que cria o Manual de Métodos Analíticos Oficiais para Fertilizantes e Corretivos. A elaboração deste documento contou com a colaboração das pesquisadoras do IAC, Aline Coscione e Mônica de Abreu.

 

Módulos dos cursos que serão oferecidos neste primeiro semestre

Determinação de micronutrientes metálicos por absorção atômica. Módulo AAS: Determinação de micronutrientes como Mn, Zn, Cu, Fe, Ni e Co em Fertilizantes por AAS.

 

Ementa: Fundamentos da Espectroscopia de Absorção Atômica e dos métodos oficiais de determinação de micronutrientes em fertilizantes; Revisão da legislação vigente por tipo de fertilizante (determinação de teores totais, solúveis em agua e no segundo). Procedimentos e cuidados para a aula prática. Carga horária: quatro horas de teoria, oito horas de prática.

 

Aula prática: Determinação de Mn, Zn, Cu, Fe, Ni ou Co (teor total e/ou solúvel em CNA e/ou solúvel em Ácido Cítrico e/ou solúvel em água) em Fertilizantes, por AAS. Vagas: mínimo de quatro e máximo de 12 inscritos. Data: 1º e 2 de Março de 2016 — inscrições até 23/02/16

 

Determinação de nitrogênio total pelo Método de Raney

Módulo Nitrogênio: Nitrogênio total pelo micrométodo de Raney. Ementa: Fundamentos dos métodos oficiais de determinação de nitrogênio; Química do N e sua apresentação em fertilizantes; Volumetria de neutralização. Procedimentos e cuidados para a aula prática. Carga horaria: quatro horas de teoria, quatro horas de prática. Aula prática: Determinação de N em fertilizante mineral pelo micrométodo de Raney. Vagas: mínimo de quatro e máximo de 12 inscritos. Próxima data: 29 de Março de 2016 — inscrições até 22/03/16

 

Determinação de P2O5 solúvel em citrato neutro de amônio por colorimetria e por gravimetria. Módulo Fósforo: Fósforo solúvel em (CNA+Água) por colorimetria e por gravimetria. Ementa: 1ª aula – Fundamentos dos métodos oficiais de determinação de fósforo; Química do P2O5 e sua apresentação em fertilizantes; Gravimetria, Procedimentos e cuidados para a aula prática. 2ª. aula – Fundamentos da espectrofotometria molecular no UV-Vis. Determinação de fosfato e de fosfito por colorimetria. Condições essenciais para realização das técnicas. Procedimentos e cuidados para a aula prática. Carga horária: oito horas de teoria, oito horas de prática. Aula prática: 1ª aula – Determinação de P2O5 em fertilizante mineral pelo método gravimétrico do QUIMOCIAC (prática será terminada na aula seguinte). 2ª aula – Determinação de P2O5 solúvel em CNA, em fertilizante mineral, pelo método colorimétrico usando a solução vanadomolibidica. Vagas: mínimo de quatro e máximo de 12 inscritos. Próxima data: 12 e 26 de abril de 2016 — Inscrições até 05/04/2016

 

Determinação de K2O solúvel em água e em citrato neutro de amônio por fotometria de chama. Módulo Potássio: Potássio solúvel em Água e em CNA+Água por fotometria. Ementa: Fundamentos da espectrofotometria atômica de emissão. Química do potássio e sua apresentação em fertilizantes. Condições essenciais para a realização da técnica. Procedimentos e cuidados para a aula prática. Carga horária: quatro horas de teoria, quatro horas de prática. Aula prática: Determinação de K2O solúvel em água no fotômetro de chama. Vagas: mínimo de quatro e máximo de 12 inscritos. Próxima data: 10 de maio de 2016 — inscrições até 03/05/2016

 


Comente essa notícia.

Faça seu cadastro ou login gratuito para enviar comentários.

Leia mais