Carne. exportação. bovinos. farming brasil. sf agro
DATA: 28/01/2016

Crescimento da classe média gera demanda por alimentos e geladeiras

Com renda maior, o cidadão tem condições de armazenar mais alimentos perecíveis, como carnes e lácteos

O crescimento do número de refrigeradores domésticos é um dos fatores que estimula o consumo de produtos perecíveis no mundo, o que sinaliza importante oportunidade para países produtores de alimentos como o Brasil. A análise foi feita pela Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) e publicada no estudo Estratégia de Abertura de Mercados: Perspectivas 2016.

 

O documento relaciona a quantidade de geladeiras e o padrão de consumo em países onde a classe média está em expansão. Com renda maior, o cidadão tem condições de comprar o refrigerador e, consequentemente, armazenar mais alimentos perecíveis, como carnes e lácteos.

 

Na Índia, onde apenas 24% dos lares têm geladeira, é baixo o consumo anual de proteína animal: 2 quilos por habitante de carne bovina e 3 quilos por habitante de carne de frango. Já no Brasil, 98% das residências têm o eletrodoméstico, o que favorece o alto consumo. Por ano, são 39 quilos por habitante de carne bovina, 44 quilos por habitante de frango e 14 quilos por habitante de carne suína.

 

Aumento da demanda

 O ingresso de milhares de pessoas na classe média vai gerar forte pressão por alimentos, principalmente nos países asiáticos. O continente é apontado como o mercado de maior crescimento no globo, com potencial para liderar o consumo nas próximas décadas. Em 2030, 66% da classe média mundial se concentrará ali.

 

A Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO) estima que, até 2024, o consumo mundial de carnes (bovina, suína e frango) crescerá 15%; de lácteos (leite em pó, queijo e manteiga) 23%; de oleaginosas e grãos, 15,3% e de açúcar, 21%.

 

O Brasil, por sua vez, tem potencial para aumentar a produção de todos esses alimentos, assumindo papel de protagonista na garantia da segurança alimentar mundial. O País já responde por 7,7% do comércio agropecuário mundial e chegará a 10% em 2018.

 


Comente essa notícia.

Faça seu cadastro ou login gratuito para enviar comentários.

Leia mais