Grãos de soja.
DATA: 26/02/2016

Cotações da soja registraram forte recuo no mês de fevereiro

A colheita no Brasil e o bom desenvolvimento das lavouras na Argentina pressionaram os contratos futuros na Bolsa de Chicago

O mês de fevereiro não foi favorável para a comercialização da soja no Brasil. Ao contrário, os preços caíram forte nas principais praças do país e os negócios foram escassos. “Com dólar e Chicago acumulando perdas, o produtor saiu do mercado e concentrou suas atenções na colheita e no desenvolvimento das lavouras”, diz a consultoria safras & Mercados, de Porto Alegre (RS).

 

A saca de 60 quilos abriu o mês a R$ 83,50 em Passo Fundo (RS) e encerrou o dia 25 a R$ 76,50. Em Cascavel (PR), a cotação recuou de R$ 75,00 para R$ 70,50. Em Rondonópolis (MT), a cotação baixou de R$ 72,00 para R$ 67,50. Os preços também recuaram em Dourados (MS), passando de R$ 71,00 para R$ 64,00. Em Rio Verde (GO), a saca despencou R$ 10,00 no período, encerrando a R$ 66,00, na quinta (25/02).

 

O avanço da colheita no Brasil e o bom desenvolvimento das lavouras na Argentina pressionaram os contratos futuros na Bolsa de Mercadorias de Chicago (CBOT). A perspectiva de ampla oferta mundial evitou qualquer tentativa de reação mais consistentes. Os contratos com vencimento em maio acumularam desvalorização de 2,15%, encerrando a 8,65 1/2 por bushel.

 

O câmbio, outro fator importante para a formação dos preços internos, também não favoreceu as negociações. No balanço do mês, a moeda americana caiu 1,79%, sendo cotada a R$ 3,951 no dia 25. Neste caso, a melhora nas projeções para a economia mundial aliviaram a pressão sobre o câmbio.

 

Mesmo com alguns problemas pontuais, a safra brasileira tende a ser recorde. Safras & Mercado estima uma produção de 99,85 milhões de toneladas. Na Argentina, o quadro é semelhante. A Bolsa de Cereais de Buenos Aires indica safra de 58 milhões de toneladas, um pouco abaixo do recorde obtido no ano passado.

 


Comente essa notícia.

Faça seu cadastro ou login gratuito para enviar comentários.

Leia mais