DATA: 19/01/2016

Consórcio de braquiária e milho torna as lavouras mais sustentáveis

A Campanha Plante Seu Futuro preconiza boas práticas agrícolas para promover uma agricultura mais sustentável

Por questões de retorno econômico, o cultivo da soja seguida do milho safrinha tem crescido muito no Paraná, onde já ocupa quase dois milhões de hectares. Exceção se faz nas regiões mais frias (centro e sudoeste), onde predominam a soja seguida do plantio de cereais de inverno como o trigo, as aveias e a cevada, por exemplo.

 

No Estado, predomina o plantio direto das lavouras, ou seja, uma evolução da agricultura onde não se deveria mais revolver o solo. Porém, o manejo atualmente adotado nas lavouras de grãos tem trazido sérios problemas de erosão, ou seja, perda de solo e água. Para proteger o solo, a Campanha Plante Seu Futuro, da Emater, divulga boas práticas agrícolas que promovem uma agricultura mais sustentável. Entre as recomendações, o projeto aconselha a semeadura da brachiaria conjuntamente com o milho safrinha em operação que se inicia nas próximas semanas logo após a colheita da soja.

 

Plantio de braquiária

O plantio de quatro quilos por hectare de sementes da gramínea Brachiaria ruziziensis é feito simultaneamente com o milho safrinha utilizando-se para isto o espaçamento de 0,90 centímetros entre linhas de milho e de 0,45 entre as linhas de braquiária e milho. Na prática, significa que germina uma linha de capim braquiária entre duas linhas de milho.

 

A braquiária deve ser semeada a cinco centímetros de profundidade de forma que atrase um pouco a sua germinação dando condições de que o milho se desenvolva quase sem a competição da gramínea. A semente é barata e facilmente encontrada em cooperativas e casas agropecuárias, não trazendo maiores custos ao produtor.

 

Boa cobertura do solo

Este consórcio possibilita uma excelente cobertura do solo principalmente após a colheita do milho. O solo permanece coberto até a nova semeadura da soja que acontece em outubro e auxilia no controle de importantes invasoras como a buva e o amargoso.

 

Além da cobertura do solo a braquiária desenvolve um sistema radicular muito vigoroso e volumoso que promove uma “subsolagem gratuita” que quebra a camada adensada muito comum neste sistema . A cobertura do solo aliada ao incremento de matéria orgânica deixada nele pelas raízes da brachiaria facilitam a infiltração da água no perfil do solo e, desta forma, contribuem para o controle da erosão hídrica que tem voltado a ocorrer nos solos paranaenses.

 


Comente essa notícia.

Faça seu cadastro ou login gratuito para enviar comentários.

Leia mais